Pioneer deixa mercado de TVs planas, corta 10 mil funcionários

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009 09:34 BRST
 

Por Kiyoshi Takenaka

TÓQUIO (Reuters) - A fabricante japonesa de produtos eletrônicos Pioneer anunciou que vai tirar da tomada o plugue de suas operações com TVs planas e que vai cortar mais 10.000 funcionários enquanto ruma para um prejuízo anual recorde de 1,4 bilhão de dólares.

A Pioneer, uma fabricante de nicho no segmento de TVs com telas finas e uma das maiores produtoras de equipamentos eletrônicos para carros do mundo, tem sofrido junto com outras companhias japonesas de eletrônicos por causa da desacelaração da economia e da valorização do iene, que prejudica exportações.

A companhia informou que vai se retirar do mercado de TVs planas até março de 2010 e considera uma aliança global em discos ópticos como parte de uma reestruturação que coloca foco maior em seus negócios com produtos eletrônicos para automóveis.

"É extremamente doloroso desistir de um negócio que construímos como pioneiros na indústria", disse o presidente Susumu Kotani, a jornalistas. "As flutuações do mercado ficaram além de nossas expectativas e chegamos à conclusão que não podemos esperar que a lucratividade melhore."

A Pioneer teve uma participação de 5,9 por cento no mercado de TVs de plasma nos primeiros nove meses de 2008, bem atrás dos 37,2 por cento da Panasonic, dos 22,8 por cento da Samsung e dos 15,5 por cento da LG Electronics, segundo a empresa de pesquisa de mercado DisplaySearch.

A Pioneer informou que vai cortar 6.000 empregados fixos e 4.000 temporários e contratados. As reduções se somam aos 5.900 empregos eliminados entre março e dezembro do ano passado, que levaram a força de trabalho da empresa a 36.900 funcionários.

A decisão de deixar o mercado de TVs planas tinha sido alertada pela empresa no sábado, quando havia informado que estava considerando várias opções, incluindo uma total retirada do segmento e encerramento de produção interna de televisores.

A Pioneer alertou ainda nesta quinta-feira que espera ter um prejuízo líquido no ano até 31 de março de 130 bilhões de ienes (1,44 bilhão de dólares), ante estimativa anterior de perda de 78 bilhões de ienes. A empresa reduziu ainda em 20 por cento a expectativa para as vendas.