Sócia árabe vai à Câmara de Arbitragem contra a "aeiou"

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009 19:19 BRT
 

Por Taís Fuoco

SÃO PAULO (Reuters) - O relacionamento entre a brasileira Unicel, que adotou a marca fantasia "aeiou" e o grupo árabe Hits se agravou. A Hits Telecom informou nesta segunda-feira que vai pedir uma arbitragem da Câmara Brasil-Canadá contra a companhia nacional.

Para a Unicel, entretanto, "a arbitragem confirmará que o contrato não foi cumprido pela Hits", disse a companhia em nota assinada pelo presidente José Roberto Melo da Silva nesta segunda-feira.

Em janeiro, a própria "aeiou" informou ao mercado que chegava ao fim, sem sucesso, a negociação da empresa para vender parte do seu capital à Hits do Brasil Empreendimentos e Participações, subsidiária do grupo árabe que fazia nela seu primeiro investimento na América Latina.

A Hits informa, entretanto, em comunicado à imprensa, que quer a arbitragem da Câmara contra a antiga Unicel "pelo descumprimento das obrigações previstas no Acordo de Investimentos e no Acordo de Acionistas celebrados entre as partes".

O descumprimento do acordo também era a alegação da "aeiou" em janeiro para romper com o grupo Hits. Segundo sua nota na época, a empresa investidora descumpriu as obrigações de pagamentos pactuadas.

"Embora a Hits tenha feito um aporte de mais de 22 milhões de dólares na Unicel, desde março do ano passado, a empresa controlada pela família Melo da Silva não cumpriu sua parte no acordo", afirma a nota da Hits.

Segundo ela, a empresa brasileira --criada para ser a quarta operadora de celular no Estado de São Paulo-- "deixou de realizar a reestruturação societária necessária para viabilizar a implementação do negócio acordado, além de se furtar a transferir 48,98 por cento da ações a que a Hits tem direito na sociedade".

A Hits alega ainda que a Unicel reteve os aportes recebidos. Ela pretende, com a arbitragem, receber as ações a que afirma ter direito.

"Ao contrário das informações inverídicas divulgadas pela empresa, a Hits não teve seus negócios no Brasil afetados pela crise econômica mundial e não pretende alterar o rumo do que foi negociado. Na verdade, a Hits facilitou e viabilizou o início das operações da aeiou em São Paulo, com a instalação de mais de 160 sites de telefonia móvel no Estado", reitera a companhia árabe.

O mercado paulista tem, atualmente, cinco operadoras, já que a Oi ingressou no Estado logo depois da "aeiou". Em dezembro, último dado disponível pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a "aeiou" tinha pouco menos de 17 mil usuários, depois de três meses de operação, o que lhe dava 0,01 por cento do mercado brasileiro total.