Maxis investe US$ 10 bi em subsidiária de celular na Índia

quarta-feira, 18 de março de 2009 14:48 BRT
 

NOVA DELHI (Reuters) - A Maxis Communications, da Malásia, está investindo 10 bilhões de dólares em sua subsidiária indiana Aircel, para acelerar sua expansão no mercado de telefonia móvel que mais cresce no mundo, e está interessada em leilões de frequências para telefonia 3G.

Metade do montante já foi investido na expansão da rede da Aircel, disse Sandip Das, presidente-executivo da Maxis, no lançamento dos serviços da empresa na lucrativa região de Delhi, nesta quarta-feira, acrescentando que esperava praticamente dobrar o número de assinantes da companhia este ano.

A Aircel, na qual a Maxis detém participação de 74 por cento, agora opera em 13 das 22 áreas de serviço indianas. Com licenças já obtidas, a cobertura será expandida a mais cinco zonas nas próximas seis semanas e a toda a Índia dentro de dois anos, disse Das.

"A base continua pequena se comparada à das grandes empresas do setor. Mas temos, como já lhes informei, mais de 17 milhões de assinantes. Com sorte, pelo final do ano teremos atingido os 30 milhões", ele afirmou.

A Índia é o segundo maior mercado mundial de telefonia móvel, depois da China, com 362 milhões de usuários de celulares no final de janeiro. A concorrência é intensa, especialmente nos centros urbanos afluentes, o que reduz as tarifas e prejudica as margens das empresas de telecomunicações.

A Aircel é a sétima maior operadora de telefonia móvel da região de Delhi, que concentra os clientes de maior renda na Índia mas já conta com índice de penetração superior a 100 por cento.

Os analistas afirmam que a Índia planeja permitir a portabilidade numérica ainda este ano, de forma a que os usuários possam mudar de operadora mas manter seus números, o que deve ajudar os novos participantes do mercado a conquistar clientes junto às empresas estabelecidas.

"A portabilidade numérica é uma excelente maneira de estabelecer que os consumidores sejam valorizados de forma justa", disse Das. "Para uma operadora nova como nós, é uma oportunidade".

Das disse que a Aircel tinha apetite por participar do leilão de frequências para telefonia de terceira geração, mas sem exageros. Um preço original de reserva de 20,2 bilhões de rúpias (390 milhões de dólares) está sendo revisado por um painel ministerial, e pode ser elevado.

(Reportagem de Devidutta Tripathy)