ANÁLISE-Acordo entre IBM e Sun pode despertar surto antitruste

quinta-feira, 19 de março de 2009 19:56 BRT
 

Por Jim Finkle e Diane Bartz

BOSTON/WASHINGTON (Reuters) - A perspectiva de fusão da sólida IBM com a brilhante, mas problemática, Sun Microsystems poderia estimular um surto de análises antitruste nos Estados Unidos e no exterior, à medida que consumidores e fornecedores levantam preocupações sobre a competição.

A consolidação poderia dar à nova empresa 65 por cento do mercado de servidores Unix, avaliado em 17 bilhões de dólares, de acordo com a pesquisadora de mercado IDC. Estes são os grandes servidores que a maioria das companhias, o governo e outros confiam para suas operações mais críticas, segundo a IDC.

A IBM e a Sun Microsystems Inc foram as maiores players em 2008, com 37 por cento e 28 por cento do mercado, respectivamente. A Hewlett-Packard Co (HP) foi a terceira, com 27 por cento.

Enquanto os computadores da Sun e da IBM rodam versões incompatíveis do poderoso sistema operacional Unix, a IBM provavelmente deve persuadir os desenvolvedores a criar um novo software para suas máquinas, disse o analista da IDC Matt Eastwood.

"Você terá a IBM tão dominante que, com o tempo será fácil esmagar a HP, somente pela presença absoluta", afirmou Eastwood, acrescentando que ele espera que tanto os Estados Unidos quanto a Europa analisem a transação.

A IBM e a Sun preferiram não tecer comentários sobre o acordo, mas o Wall Street Journal disse que a IBM estava oferecendo entre 10 dólares e 11 dólares por ação, o dobro do preço de fechamento dos papéis da Sun no pregão da terça-feira, ou mais de 6,5 bilhões de dólares.

Memórias de grande capacidade correspondem a outra área que a IBM e a Sun dominam.

Um negócio que deve ser analisado é a unidade StorageTek da Sun, que fornece fitas de memória para computadores mainframe, disse Charles King, analista da empresa de pesquisa tecnológica Pund-IT.

A Sun comprou a StorageTek em 2005 por cerca de 4 bilhões de dólares, o que resultou que, juntas, IBM e Sun controlam agora a vasta maioria do mercado, disse ele.