Positivo Informática encerra 4o tri com prejuízo de R$25 mi

sábado, 21 de março de 2009 10:46 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A maior fabricante de computadores do país, Positivo Informática, anunciou no final da sexta-feira prejuízo líquido no quarto trimestre de 25,06 milhões de reais, já ajustado pela mudança na legislação contábil no final do ano passado, revertendo resultado positivo de 72,31 milhões de reais registrado no mesmo período de 2007.

A companhia, que fechou os últimos três meses de 2008 com participação total no mercado de computadores do país de 15,6 por cento, prevê que seu desempenho no primeiro trimestre deste ano continuará sendo atingido pelos efeitos da crise financeira internacional.

"Os resultados do primeiro trimestre deverão continuar sendo prejudicados pelo atual contexto da indústria, tanto em volume quanto em rentabilidade. Esperamos uma pequena melhora no segundo trimestre, normalizando no segundo semestre", informou a companhia em comunicado ao mercado.

A Positivo, que foi alvo de oferta de compra da gigante chinesa Lenovo no final do ano passado, citou previsão da companhia de pesquisa de mercado IDC, que espera uma redução de 12 por cento no volume vendido no mercado total este ano em relação a 2008. A redução prevista para o mercado de varejo é de 10,2 por cento.

Segundo o relatório da Positivo, o resultado do trimestre passado foi impactado pela escassez de crédito ao consumidor nas redes de varejo, fator que vinha sendo apontado pelo setor com um dos principais motivos para o salto das vendas dos últimos quatro anos. Com isso, acumularam-se estoques no varejo, contribuindo para queda de preços e aumento de custos.

A Positivo vendeu nos últimos três meses do ano passado 410,61 mil computadores entre desktops e notebooks, queda de 8,4 por cento sobre o mesmo período de 2007. O destaque de baixa foram as vendas de PCs de mesa, que recuaram 21,9 por cento. Por outro lado, as vendas de notebooks da companhia subiram 35,1 por cento na mesma comparação.

Em 2008, a empresa vendeu 1,604 milhão de computadores, crescimento de 15,5 por cento sobre o ano anterior, puxado mais pelas performances dos três primeiros trimestres.

A receita líquida recuou 4,9 por cento no trimestre, para 528 milhões de reais.

Enquanto isso, a geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) despencou 66,2 por cento, a 27,4 milhões de reais. A margem caiu 9,4 pontos, para 5,2 por cento.

(Por Alberto Alerigi Jr.)