Principal fórum de videogames enfatiza a saúde do setor

segunda-feira, 23 de março de 2009 17:54 BRT
 

Por Gabriel Madway

SAN FRANCISCO (Reuters) - O setor de videogames está em busca de um ressurgimento este ano por meio de jogadores casuais e programas para celulares, temas que serão destaque esta semana em um dos mais acompanhados eventos do setor.

Uma vez que os videogames custam menos de 50 dólares, mas oferecem horas de entretenimento, analistas e executivos do setor esperam que eles mostrem força até mesmo em uma recessão severa que tem punido todo o setor de tecnologia ao consumidor.

Eles afirmam que os videogames estão expandindo seu alcance para além da base tradicional de homens jovens e atingindo um público mais amplo de "usuários casuais", por meio de produtos como o sucesso de vendas da Nintendo Wii e jogos para celulares em aparelhos como o iPhone da Apple.

A Game Developers Conference, que acontece esta semana com 300 expositores e se define como o maior evento exclusivo para profissionais do setor no mundo, uma vez mais atrairá produtores independentes que exibirão tecnologias de ponta para consoles, computadores e jogos online.

Os organizadores dizem que a feira, que se inicia nesta segunda-feira, atraiu 18 mil participantes no ano passado e ofereceu uma plataforma para o lançamento daquilo que se tornou o Wii, hoje o mais vendido console de videogames do mundo.

"O fenômeno que impulsiona as vendas este ano é que boa parte delas se dirigem a um público bem mais casual do que nos acostumamos a ver historicamente", disse Michael Pachter, analista da Wedbush Morgan.

As vendas de hardware, software e acessórios para videogames nos Estados Unidos subiram 11 por cento até agora em 2009, de acordo com o grupo de pesquisa NPD.

"Estamos em uma categoria quente, e que está crescendo", disse Michael Howse, presidente-executivo da Bigfoot Networks, uma empresa de capital fechado que está lançando a próxima geração de placa de rede para videogames esta semana.

"Nossa visão geral é que certamente o lado dos gastos dos consumidores foi afetado pela crise", disse, "mas por algum motivo eles parecem ter algum dinheiro extra nos bolsos para dedicar aos videogames", afirmou.