Toshiba e Sharp estudam trabalhar juntas em energia solar

sexta-feira, 27 de março de 2009 16:24 BRT
 

TÓQUIO (Reuters) - Os grupos japoneses Toshiba e Sharp disseram nesta sexta-feira que estão considerando trabalhar juntos no segmento de baterias movidas a energia solar, devido à crescente demanda por fontes de energia limpas. A notícia elevou as ações de ambas as companhias.

A crise financeira cortou grande parte dos financiamentos de novos projetos desde o final do ano passado, mas empresas de bateria solar ainda estão correndo para aumentar sua capacidade, uma vez que os governos no mundo inteiro apóiam a expansão de sistemas de energia limpa para reduzir a emissão de gases poluentes.

O governo chinês informou na quinta-feira que lançará um novo subsídio generoso para sistemas de energia solar, erguendo os papéis das empresas listadas nas bolsas dos Estados Unidos que atuam no setor.

As ações da Sharp subiram 3,94 por cento e as da Toshiba avançaram 1,78 por cento nesta sexta-feira, superando o desempenho do mercado em geral.

O jornal The Asahi divulgou mais cedo que a Toshiba e a Sharp podem formar uma parceria abrangente nos negócios de energia solar, com a Toshiba fornecendo sistemas de distribuição de eletricidade para Sharp, enquanto recebe painéis em troca.

Juntas, elas pretendem impulsionar a demanda por grandes sistemas de energia solar em fábricas, edifícios e instalações públicas, segundo o jornal.

O porta-voz da Toshiba, Ken Shinjo, afirmou que a empresa está analisando vários fornecedores de painéis solares, incluindo a Sharp, mas que ainda não havia tomado uma decisão.

Já o porta-voz da Sharp, Miyuki Nakayama, disse que a companhia está negociando parcerias com várias firmas, entre elas a Toshiba, e que nada está definido até agora.

(Reportagem de Sachi Izumi)

 
<p>Os grupos japoneses Toshiba e Sharp disseram nesta sexta-feira que est&atilde;o considerando trabalhar juntos no segmento de baterias movidas a energia solar, devido &agrave; crescente demanda por fontes de energia limpas. A not&iacute;cia elevou as a&ccedil;&otilde;es de ambas as companhias.</p>