Consumidores dos EUA ignoram serviços bancários por celular

quarta-feira, 8 de abril de 2009 14:24 BRT
 

NOVA YORK (Reuters) - Bancos e companhias de celular têm um longo caminho a percorrer para persuadir os consumidores norte-americanos a utilizar seus aparelhos para serviços bancários. Muitos se preocupam com segurança e encargos extras, enquanto outros desconhecem o canal.

Em um levantamento com cerca de 500 consumidores dos Estados Unidos, a KPMG afirmou que somente 9 por cento já tentou fazer movimentações bancárias via celular. Em comparação, quase 76 por cento "utiliza de forma persistente" serviços bancários online em computadores.

Até 95 por cento dos entrevistados afirmaram que se sentiam tão incomodados em conduzir transações financeiras por meio do celular que nunca tentaram usar o recurso para fazer uma compra em um site de varejo.

Quase 48 por cento das pessoas citaram segurança e preocupações com privacidade como a principal razão para não efetuarem movimentações bancárias dessa forma, segundo a KPMG.

Embora muitos tenham dito que o uso de celular para serviços bancários é importante, eles não acreditam que seja tão essencial a ponto de pagarem uma taxa adicional pelo serviço.

Aproximadamente 19 por cento dos entrevistados responderam que "de algum modo estão propensos" a utilizar um aparelho móvel para transações online nos próximos 12 meses. Todavia, apenas 7 por cento dos entrevistados disseram estarem dispostos a pagar uma taxa pela facilidade, segundo a pesquisa.

"O fato da maioria dos consumidores norte-americanos não estarem cientes de que seus atuais bancos oferecem serviços bancários por celular é claramente mais uma questão de percepção do que realidade", disse Carl Carande, da KPMG.