CENÁRIOS-Ampliar banda larga esbarra em saber quem paga a conta

terça-feira, 14 de abril de 2009 19:16 BRT
 

Por Taís Fuoco

SÃO PAULO (Reuters) - Enquanto países como Austrália decidem fazer, por iniciativa de governo, uma rede nacional de banda larga, o Brasil discute como estender as conexões de alta velocidade por todo o seu território quando as regiões mais remotas não atraem as operadoras e o governo afirma não ter todos os recursos para liderar a iniciativa.

Em seminário sobre banda larga promovido nesta terça-feira, o conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) Plínio de Aguiar Júnior citou o caso da Austrália, onde na semana passada o governo decidiu implantar uma rede de fibras ópticas por todo o país, em um projeto próximo de 30 bilhões de dólares.

"O Brasil não tem esses recursos. Aqui com certeza não serão 30 bilhões de dólares, mas é certo que poderá ser perto de 10 bilhões de dólares em cinco anos", afirmou Aguiar.

Como tem menos recursos, o Brasil vai precisar otimizar as faixas de frequência que tem para a banda larga e lançar mão também das opções sem fio, já que a Austrália optou pelas fibras ópticas, tecnologia de mais alto custo.

"Vamos depender enormemente da banda larga móvel", afirmou Aguiar, lembrando que as tecnologias sem fio são de mais rápida instalação e mais baratas.

Segundo dados da própria Anatel, o Brasil já tem 3,2 milhões de usuários de banda larga móvel, ou mais de 30 por cento das 10 milhões de conexões de alta velocidade existentes. Mas o total alcançado no final de 2008 mostra que a banda larga só chega a pouco mais de 5 por cento da população.

FORA DO PAC

Além da Austrália, que espera gerar 35 mil empregos com a rede de banda larga a partir do terceiro ano de implantação, Aguiar também citou o caso da administração do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que destinou 7 bilhões de dólares para que a FCC (equivalente à Anatel nos EUA) elabore um programa de incentivos à banda larga naquele país, além de exemplos de políticas públicas da Coréia do Sul e da França.   Continuação...