Intel diz que queda dos computadores acabou, mas ações recuam

quarta-feira, 15 de abril de 2009 12:12 BRT
 

Por Gabriel Madway e Clare Baldwin

SAN FRANCISCO, Estados Unidos (Reuters) - A Intel superou as expectativas trimestrais e anunciou que o pior já passou para o abalado setor de tecnologia, mas suas ações caíram cinco por cento depois que a empresa informou que a incerteza quanto à economia impediria que apresentasse uma projeção de receita clara.

A principal fabricante mundial de chips anunciou na terça-feira que as vendas de computadores pessoais chegaram ao seu ponto mais baixo no primeiro trimestre, mas que continuavam a existir turbulências econômicas e de mercado excessivas, e isso impediria uma projeção precisa para o segundo trimestre.

A Intel afirmou que, para fins internos, estava planejando receita inalterada ante os 7,1 bilhões de dólares do primeiro trimestre, ante a projeção média de 7 bilhões de dólares entre os analistas. Alguns deles, antecipando melhoras nos próximos trimestres, afirmaram que a Intel talvez esteja sendo cautelosa demais.

"A questão é determinar se o comando da empresa está sendo conservador", disse Patrick Wang, analista da Jedbush Morgan. "Especialmente porque o presidente-executivo afirmou que a queda nas vendas de computadores chegou ao fim."

As margens brutas, indicador muito acompanhado no caso dessa empresa, foram de 45,6 por cento no primeiro trimestre, pouco acima dos 43,5 por cento projetados por Wall Street.

Para o segundo trimestre, a companhia espera que as margens continuem na faixa de 40 por cento, apesar de especulações de que a estratégia da Intel com os chips Atom, mais baratos e voltados a netbooks de baixo custo, pode gerar pressão.

A Intel informou que não espera que o Atom dilua as margens brutas e na realidade devem impulsionar uma expansão do lucro.

"Estamos vendo sinais de que o fundo do poço para o mercado de PCs foi atingido", afirmou o presidente-executivo da Intel, Paul Otellini. "Eu acredito que o pior está atrás de nós em termos de ajustes de estoques e nível de demanda."

A empresa divulgou lucro líquido no primeiro trimestre de 647 milhões de dólares, queda de 55 por cento em relação ao 1,44 bilhão de dólares registrados um ano antes.