Ações da Toshiba caem com notícias de captação de recursos

segunda-feira, 20 de abril de 2009 13:07 BRT
 

Por Sachi Izumi

TÓQUIO (Reuters) - As ações da Toshiba Corp caíram 6 por cento nesta segunda-feira, depois que surgiram reportagens de que a empresa levantaria 5 bilhões de dólares em capital a fim de escorar um balanço abalado por pesados prejuízos no mercado de chips.

A arrecadação de fundos incluirá 300 bilhões de ienes (3 bilhões de dólares) em novas ações, informou a mídia japonesa no final de semana, diluindo o valor das ações existentes em cerca de 30 por cento, ao preço de 312 ienes que vigorava na segunda-feira.

A empresa, a segunda maior fabricante mundial de chips de memória flash NAND, também venderá 200 bilhões de ienes em títulos subordinados, de acordo com as reportagens.

A Toshiba não negou ou confirmou as reportagens, reiterando que estava estudando maneiras de reforçar suas finanças.

Analistas e investidores vinham há muito esperando que a Toshiba levantasse capital a fim de compensar seu imenso prejuízo no ano fiscal encerrado em 31 de março, que vem se somar a 1,8 trilhão de ienes em títulos de dívida em circulação.

No entanto, alguns analistas afirmam que 5 bilhões de dólares podem não bastar, e que a empresa pode ser forçada a recorrer ao governo para levantar mais dinheiro.

"Mesmo que a Toshiba consiga levantar o capital requerido, isso não bastaria para restaurar seu balanço, em nossa opinião, de modo que ela talvez ainda tente vender ações preferenciais ao governo", afirmou Ikuo Matsuhashi, analista do Goldman Sachs, em nota aos clientes.

A Toshiba, como outros fabricantes de semicondutores, vem sofrendo com declínios acentuados na demanda e nos preços, devido à crise econômica mundial. Alguns fabricantes de chips foram forçados a pedir proteção à falência, enquanto outros estão procurando fusões.

Mas as ações da Toshiba recuperaram cerca de 45 por cento do valor perdido desde que chegaram à sua cotação mais baixa em 28 anos, no mês de fevereiro. Os investidores se animaram com os preços mais estáveis nos chips NAND, usados em celulares e tocadores de música portáteis como o iPod, da Apple.