Yahoo corta 5% das vagas, mas confirma lucros no 1o trimestre

terça-feira, 21 de abril de 2009 19:11 BRT
 

SAN FRANCISCO (Reuters) - O Yahoo Inc. anunciou um corte de 5 por cento no seu quadro global de funcionários, depois de divulgar um lucro no primeiro trimestre que atendeu às expectativas de Wall Street, graças a cortes de custos que compensaram a redução do faturamento.

A empresa da Internet disse que manterá "reduções de custos não (ligadas à) contagem de pessoal", para aumentar sua capacidade de realizar investimentos estratégicos e eventualmente fazer contratações para suas operações centrais.

"É crucial que a administração ajuste a estrutura de custos às novas realidades de crescimento (ou falta de), de modo que no momento a proteção da margem (de lucros) é de suma importância para o Yahoo", disse por email o analista Youssef Squali, da Jefferies & Co. "Achamos que há um potencial de superação nas margens", acrescentou.

As ações do Yahoo subiram 1,7 por cento nas transações pós-pregão, atingindo 14,63 dólares.

Em outubro, a empresa disse que cortaria cerca de 10 por cento dos seus funcionários, ou cerca de 1.500 vagas. A empresa terminou 2008 com quase 13,6 mil empregados.

No primeiro trimestre completo sob a liderança da nova executiva-chefe Carol Bartz, o Yahoo gerou um faturamento de 1,58 bilhão de dólares, 13 por cento abaixo do mesmo período do ano anterior.

Excluindo os custos de aquisição de tráfego, o faturamento do Yahoo ficou em 1,16 bilhão de dólares, um pouco abaixo da expectativa média dos analistas, 1,2 bilhão, aferida pela pesquisa Reuters Estimates.

A empresa californiana teve um lucro líquido no primeiro trimestre de 118 milhões de dólares, ou 8 centavos de dólar por ação. No ano anterior, o lucro havia sido de 537 milhões de dólares, ou 37 centavos por ação. Os analistas de Wall Street em média esperavam um lucro de 8 centavos por ação, segundo o Reuters Estimate.

O executivo-chefe de finanças Blake Jorgensen disse à Reuters que ainda haverá "nuvens muito negras no horizonte" para a economia.   Continuação...