Telecom Italia avalia vender operação na Argentina

quarta-feira, 22 de abril de 2009 13:43 BRT
 

NÁPOLES, Itália (Reuters) - A Telecom Italia não descarta a possibilidade de vender suas operações na Argentina, declarou Gabriele Galateri di Genola, presidente do conselho da empresa, à Reuters nesta quarta-feira, afirmando que todas as opções estão sendo consideradas.

Na manhã desta quarta, o jornal Il Sole 24 Ore informou que a Telecom Italia estava estudando a venda de sua participação na Sofora, a holding que controla a Telecom Argentina, e que havia feito contato com empresários brasileiros.

A companhia italiana controla também 100 por cento da TIM Participações no Brasil. A participação de 50 por cento da Telecom Italia na Sofora pode valer até 300 milhões de euros (388 milhões de dólares), de acordo com o diário italiano.

A solução incluirá "o exame de todas as opções de modo a que nada fique excluído", disse Galateri, quando questionado sobre a venda da participação na Sofora.

As autoridades antitruste da Argentina proibiram a Telecom Italia de tomar decisões sobre sua subsidiária argentina e rejeitaram o apelo da empresa italiana contra a decisão. Uma venda se tornou uma saída crível para os italianos.

Galateri disse que "uma solução legal não é mais a preferência" entre as escolhas quanto à decisão antitruste argentina.

Encontrar soluções para as atividades da empresa na Argentina é um processo "muito delicado" e está sendo conduzido "com extrema atenção e prudência", o que inclui negociações com o governo e uma possível solução não conflituosa, disse ele.

Quanto a outras possíveis vendas, Galateri afirmou que havia recebido "algumas ofertas" pela HanseNet, operadora de banda larga alemã controlada por sua empresa.

"Estamos conversando com a Telefónica, mas não apenas com eles. O processo será conduzido de forma completamente transparente para todas as partes interessadas", disse.   Continuação...

 
<p>Homem usa celular diante de loja da Telecom Italia em Roma. A companhia n&atilde;o descarta a possibilidade de vender suas opera&ccedil;&otilde;es na Argentina, declarou Gabriele Galateri di Genola, presidente do conselho da empresa.</p>