Aparelhos de música encontram vida além do computador

quarta-feira, 29 de abril de 2009 16:08 BRT
 

Por Reed Stevenson

AMSTERDÃ (Reuters) - Os players digitais de música estão se libertando, e aos seus usuários, dos computadores, graças a aparelhos capazes de acesso a música naquilo que se tornou conhecido como "a nuvem".

Com modelos existentes como o iPhone, da Apple, ou o Ibiza Rhapsody, do Hair Group, bem como o Pre, um celular muito aguardado da Palm, que sai nas próximas semanas, mais e mais audiófilos ganham a capacidade de encontrar, baixar e executar música por sistemas sem fio, sem que precisem conectar seus aparelhos a laptops ou computadores de mesa.

Os dois primeiros aparelhos mencionados podem se conectar diretamente a serviços online de música --a iTunes, para o iPhone (e iTouch), e o Rhapsody, da RealNetworks, para o Ibiza-- que oferecem um grande catálogo de canções e podcasts.

"O usuário jamais precisará utilizar o computador de novo, se lhe der na telha", disse Neil Smith, vice-presidente de gestão de negócios da Rhapsody, na sede da RealNetworks, uma pioneira na distribuição online de mídia.

Quando o Pre chegar às lojas, os usuários poderão ouvir o serviço de música online Pandora, ou adquirir canções diretamente do serviço de música em MP3 da Amazon.com.

Os provedores de serviços e fabricantes de aparelhos estão apostando que as pessoas se disporão a pagar mais pela capacidade de ouvir ou baixar música escolhida por impulso, onde quer que estejam. Eles fazem parte do crescente setor de "computação em nuvem", no qual os dados, como música e outras informações digitais, ficam armazenados em servidores remotos, acessíveis instantaneamente.

O iPhone estreou quase dois anos atrás, mas um dos elementos cruciais de seu lançamento foi a inclusão de uma versão portátil da iTunes, que deu aos usuários a capacidade de localizar e adquirir canções com o aparelho.

A Rhapsody ainda tem menos de um milhão de usuários, mas existe há mais tempo como um serviço de música por assinatura, que oferece aos usuários de computadores dispostos a pagar 10 dólares ao mês (15 dólares no caso de downloads para players digitais) acesso ilimitado a um catálogo de mais de seis milhões de faixas.