Fabricantes de chips preveem demanda firme depois da queda

quinta-feira, 30 de abril de 2009 12:07 BRT
 

Por Tarmo Virki

HELSINQUE (Reuters) - Fabricantes de chips da Europa e da Ásia previram nesta quinta-feira que a demanda e as vendas devem subir, depois de reportarem resultados fracos no início de 2009.

Na Europa, a STMicroelectronics, a ST-Ericsson e a Infineon demonstraram cauteloso otimismo sobre uma elevação da demanda no trimestre encerrado em junho.

No entanto, a maior fabricante terceirizada de chips do mundo, a TSMC, de Taiwan, previu forte crescimento nas vendas e margem de lucro do segundo trimestre e elevou sua projeção quanto às vendas mundiais de semicondutores, à medida que a demanda por tecnologia começa a se acelerar.

A TSMC informou que estima que o mercado de semicondutores caia em 20 por cento este ano, diante de projeção anterior de uma queda de 30 por cento.

A desaceleração na economia mundial está prejudicando o setor de semicondutores, já que as vendas de computadores pessoais e celulares, produtos chave para as fabricantes de chips, devem cair em 10 por cento ou mais este ano.

Recentemente, porém, começaram a emergir esperanças de uma possível virada no mercado, com a Texas Instruments oferecendo perspectivas melhores que as esperadas e a Nokia afirmando que via sinais de estabilização no mercado de celulares.

Carlo Bozotti, o presidente-executivo da STMicroelectronics, afirmou nesta quinta-feira que havia sinais de recuperação da demanda na Ásia, excetuado o Japão, mas manteve a previsão de uma queda mundial de cerca de 25 por cento no mercado de semicondutores em 2009.

O grupo franco-italiano reportou na noite de quarta-feira um prejuízo de 0,31 dólar por ação no primeiro trimestre, um centavo abaixo das estimativas dos analistas.

A ST-Ericsson, uma joint venture de chips entre a STMicroelectronics e a fabricante sueca de equipamentos para telecomunicações Ericsson, anunciou prejuízo operacional de 98 milhões de dólares em seus dois primeiros meses de operação.

Alain Dutheil, presidente-executivo da empresa, cujas principais rivais são a Qualcomm e a Texas Instruments, disse que a companhia enfrenta um 2009 desafiador.