UE impõe multa recorde de 1,1 bi de euros contra Intel

quarta-feira, 13 de maio de 2009 11:18 BRT
 

Por Foo Yun Chee e David Lawsky

BRUXELAS (Reuters) - A Comissão Europeia aplicou à Intel uma multa recorde de 1,06 bilhão de euros (1,45 bilhão de dólares) nesta quarta-feira e ordenou que a companhia suspenda descontos ilegais e outras práticas comerciais abusivas utilizadas para tirar do mercado a rival AMD.

"Dado o fato de que a Intel prejudicou milhões de consumidores europeus ao agir deliberadamente para manter concorrentes afastados do mercado por mais de oito anos, o tamanho da multa não deveria constituir surpresa", afirmou Neelie Kroes, a comissária da Competição da União Europeia, em briefing a jornalistas.

A empresa informou que vai recorrer da decisão.

O órgão executivo da União Europeia afirmou que a Intel pagou a fabricantes de computadores para que adiassem ou cancelassem planos de lançamento de produtos com chips da AMD, ofereceu descontos ilegais para que os fabricantes de PCs utilizassem apenas seus chips e pagou a uma grande cadeia de varejo para que mantivesse em estoque apenas máquinas equipadas com seus chips.

As autoridades ordenaram que a Intel "suspenda as práticas ilegais imediatamente, na medida em que ainda estejam em vigor".

A Intel poderá continuar a oferecer descontos, desde que legais, afirmou a comissão.

A multa por violação de leis de concorrência imposta pela União Europeia é a maior já decidida contra uma empresa individual, excedendo os 896 milhões de euros de penalidade impostos no ano passado à fabricante de vidros Saint-Gobain, por manipulação de preços, e os 497 milhões de euros em 2004 contra a Microsoft, por abuso de posição dominante de mercado.

Paul Otellini, presidente-executivo da Intel, disse que a empresa planeja apelar junto à Corte Européia de Primeira Instância.   Continuação...

 
<p>Comiss&aacute;ria europeia de defesa da concorr&ecirc;ncia, Neelie Kroes, concede entrevista sobre a Intel. A Comiss&atilde;o Europ&eacute;ia imp&ocirc;s multa recorde de 1 bilh&atilde;o de euros contra a empresa por pr&aacute;ticas comerciais abusivas.</p>