Campanha eleitoral via SMS e Internet cria polêmica no Irã

quarta-feira, 27 de maio de 2009 12:34 BRT
 

Por Parisa Hafezi

TEERÃ (Reuters) - "Se você pretende não votar, pense no dia 13 de junho, quando ouvir que Ahmadinejad foi reeleito."

Jovens e urbanos usuários de celulares no Irã vêm sendo bombardeados com essa e outras mensagens de texto semelhantes no período que antecede a eleição de 12 de junho, quando o presidente linha-dura Mahmoud Ahmadinejad vai buscar a reeleição para um segundo mandato.

E-mails e blogs também estão desempenhando papel importante na campanha, pela primeira vez em um país mais acostumado a ouvir mensagens políticas gritadas em alto-falantes que percorrem as ruas sobre caminhonetes, em outdoors gritantes e em comícios.

O governo, cuja base de apoio está assentada nos pobres da zona rural, vem enviando seus próprios textos e e-mails saudando as realizações de Ahmadinejad, mas também vem dando sinais de preocupação.

Os defensores de Ahmadinejad se queixam das piadas às vezes grosseiras feitas às expensas de seu líder em mensagens de texto, e a agência de notícias oficial IRNA disse que a Promotoria Pública de Teerã vai reprimir mensagens com teor ofensivo aos candidatos.

O site de relacionamentos sociais e partilha de conteúdos Facebook foi obstruído em 23 de maio, juntando-se a sites políticos e de direitos humanos que já tiveram seu acesso fechado.

A proibição ao Facebook foi revogada em 26 de maio, depois de ser alvo de críticas fortes de candidatos moderados.

Mais de 150 mil iranianos são inscritos no Facebook, e os eleitores jovens compõem um bloco enorme que ajudou o ex-presidente reformista Mohammad Khatami a vencer as eleições em 1997 e 2001.   Continuação...