Apple corta preço do iPhone para US$99, Jobs continua ausente

segunda-feira, 8 de junho de 2009 18:57 BRT
 

Por Alexei Oreskovic e David Lawsky

SAN FRANCISCO (Reuters) - A Apple cortou o preço de entrada do iPhone para 99 dólares nesta segunda-feira, em medida que com certeza deve agradar aos seu consumidores, preocupados com a crise, mas o líder da empresa Steve Jobs não fez sua esperada aparição no encontro anual de desenvolvedores da Apple, o Worldwide Developers' Conference, após meses de afastamento devido a uma doença.

Analistas afirmam que o desconto deve certamente estimular as vendas do aparelho.

Mas as ações da Apple caíram 0,6 por cento para 143,85 dólares --após uma alta de 6,5 por cento na semana anterior ao esperado evento-- enquanto Jobs continua escondido e investidores discutem os méritos do grande corte de preço.

A Apple ainda lançou hoje seu novo iPhone 3GS --o "S" é para velocidade, no inglês-- que será duas vezes mais rápido, além de fazer vídeos, e que irá às prateleiras em países que incluem Estados Unidos e Alemanha a partir do dia 19 de junho por entre 199 e 299 dólares.

A Apple vende "o 3G em um preço de 99 dólares", afirmou o chefe de marketing da empresa Phil Schiller, durante a conferência. "E isso começa a partir de hoje".

Estimativas da Morgan Stanley indicam que um aparelho com um preço de entrada de 99 dólares deve dobrar as vendas atuais.

A Apple manteve sua legião de fãs entusiasmados nesta segunda-feira com uma série de outros anúncios de novos produtos: notebooks novos e mais baratos, com softwares atualizados, e novos jogos e aplicações para o iPhone.

Mas o assunto do momento --o de que Jobs faria uma aparição no evento-- não se realizou.

Jobs, que se submeteu a tratamento contra câncer no pâncreas, não apareceu nos anúncios da empresa desta segunda-feira. Ele surpreendeu o mercado em janeiro ao anunciar seu afastamento e afirmando que seus problemas de saúde eram mais complexos do que se pensava.

Apesar da linha de produtos que se renova lentamente, da redução dos gastos dos consumidores e incertezas em torno de um possível plano de sucessão na empresa, investidores parecem se sentir confortáveis com a ideia de uma Apple sem Jobs. As ações da empresa saltaram 85 por cento desde o anúncio do afastamento do executivo em 14 de janeiro.