Anatel investiga pane na telefonia fixa em SP

terça-feira, 9 de junho de 2009 12:28 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Telefônica informou nesta terça-feira que está investigando as causas de problema ocorrido pela manhã no sistema de telefonia fixa do Estado de São Paulo, onde opera. A pane está sendo acompanhada pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), com "extrema preocupação", informou a autarquia.

Problemas em "rede de sinalização" ocorreram por volta das 9h afetando chamadas de voz "aí incluídas ligações locais, de longa distância nacional e internacional, serviços 0800 e para call centers e chamadas para redes de outros serviços, como, por exemplo, celulares", informou a Telefônica em comunicado.

Segundo a Telefônica, às 9h55 a empresa já havia restabelecido uma parte importante dos serviços, mas alguns clientes ainda registravam problemas. A companhia tem 11,6 milhões de linhas em serviço em São Paulo.

"Os agentes de fiscalização (da Aneel) do escritório regional de São Paulo trabalham em regime de urgência na verificação não só das causas, mas do alcance das consequências da paralisação", informou a agência reguladora, afirmando que a autarquia foi informada dos problemas pelo presidente da Telefônica, Antônio Carlos Valente, ele próprio ex-vice-presidente da Anatel.

No início de abril, problemas com a rede de Internet da Telefônica fizeram a empresa conceder desconto de 12 horas de serviço a clientes do acesso banda larga Speedy. A operadora responsabilizou os problemas a "ataques externos".

Em fevereiro, a Promotoria de Justiça do Consumidor do Ministério Público ajuizou ação civil pública na qual pede 1 bilhão de reais em ressarcimento de danos materiais e morais provocados aos clientes da empresa.

Em julho do ano passado, a Telefônica concedeu 5 dias de desconto a todos os usuários do Speedy em São Paulo para compensá-los por uma pane que interrompeu parte dos serviços de banda larga durante dois dias daquele mês. No período em que a rede enfrentou problemas em 2008, serviços públicos como a emissão de boletins de ocorrência e a renovação de documentos foram interrompidos em parte do Estado.

(Por Alberto Alerigi Jr.)