IBM abre centro de inovação ferroviário na China

quinta-feira, 11 de junho de 2009 16:09 BRT
 

Por Michael Wei e Kirby Chien

PEQUIM (Reuters) - O primeiro centro de inovação em ferrovias da IBM ajudará a empresa abocanhar uma parte neste setor, no qual a China desembolsa 5 trilhões de iuans (731 bilhões de dólares), afirmou a empresa nesta quinta-feira na abertura oficial do centro em Pequim.

Os produtos e serviços desenvolvidos no centro para a China também poderão ser aplicados em mercados ao redor do mundo, disse o diretor do Global Rail Innovation Centre, Keith Dierkx.

"Se pode-se construí-los para a China, tudo fica mais fácil", disse Dierkx à Reuters.

A IBM está trabalhando em conjunto com o Ministério de Ferrovias chinês em projetos que lidam com a otimização do sistema, vigilância por vídeo digital e programas de administração de ativos, afirmou o diretor, acrescentando que a esperança da IBM é que esse papel inicial de consultor irá evoluir para outras oportunidades comerciais.

Os investimentos planejados pela China para os próximos dois anos podem formar mais da metade do total do mercado mundial de equipamentos ferroviários, que em grande parte consiste em vagões, segundo a consultora McKinsey & Co.

A IBM encomendou há dois anos um relatório sobre ferrovias, uma vez que investidores como Warren Buffett investiram em empresas como a Northern Santa Fe Corp e a Union Pacific Corp, e sabia que "algo iria acontecer" no setor, afirmou Dierkx.

"Ferrovias obviamente têm um alto nível de foco para a IBM", disse, sem detalhar o quanto a indústria contribui nos negócios na IBM.

Ferrovias não eram consideradas um bom investimento há muito tempo, mas agora os investidores perceberam que elas podem aliviar os congestionamentos no trânsito urbano, além da melhora no uso eficiente de combustíveis e a redução na emissão de gases do efeito estufa, afirmou.

A IBM informou em março que a Netherlands Railways, na Holanda, estava usando produtos da IBM para sincronizar os horários de mais de 4.800 trens por dia com as previsões de tráfego de passageiros em todo o sistema.

Por sua parte, a China planeja desembolsar 731 bilhões de dólares até 2020, aumentando sua já gigantesca rede ferroviária em mais 41 mil quilômetros, enquanto o governo busca estimular a demanda local e aliviar o peso em uma sistema ferroviário que já está sobrecarregado.