Opera adiciona serviços de mídia e troca de arquivos a browser

terça-feira, 16 de junho de 2009 10:09 BRT
 

HELSINQUE (Reuters) - A Opera Software revelou novo serviço gratuito que permite troca simples de imagens, arquivos e música de computador a computador, entre quaisquer usuários da Internet.

A transferência direta de arquivos entre computadores pessoais, que será parte do novo navegador da Opera, remove a necessidade de armazenamento de dados em servidores.

Tecnologias semelhantes já estavam disponíveis anteriormente para os consumidores com maior conhecimento técnico, mas requeriam baixar um software separado, pagar taxas de uso ou exigiam longos uploads de conteúdo, o que sempre limitou a aceitação desse tipo de serviço.

A Opera integrou alguns desses serviços de troca --o de fotos e mídia-- ao navegador, mas também abriu a plataforma para que os programadores interessados criem serviços próprios de compartilhamento de arquivos.

"Acreditamos que isso seja a revolução na Internet. Consideramos que nossa tecnologia venha a abalar os serviços de Internet em prazo de um a cinco anos", disse Phillip Gronvold, analista de produtos da Opera, à Reuters.

A Opera é a terceira maior produtora mundial de navegadores, mas está muito atrás da Microsoft e da Mozilla Foundation.

"Esperamos ampliar nossa penetração em computadores com esse serviço", disse Gronvold. "Sentimos que chegar primeiro ao mercado propicia benefícios significativos no mercado de navegadores."

O Internet Explorer, da Microsoft, é usado em cerca de 60 por cento do tráfego mundial de Internet, o Mozilla Firefox detém cerca de 30 por cento e a Opera controla quatro por cento, pouco à frente do Google e da Apple, de acordo com a StatCounter, que avalia a audiência de Internet.

A Microsoft enfrentou dificuldades junto às autoridades regulatórias dos Estados Unidos e da Europa por integrar seu navegador ao seu sistema operacional, o que Opera, Mozilla e Google afirmam representar uma tentativa de afastar seus produtos do mercado.

A Microsoft anunciou na semana passada que pretende distribuir a mais recente versão de seu sistema operacional Windows na Europa sem o navegador Internet Explorer, mas a Opera afirma que isso não bastará para restaurar a competição.