Internet é a fonte de informação mais popular--pesquisa

quarta-feira, 17 de junho de 2009 15:08 BRT
 

NOVA YORK (Reuters) - A Internet é, por larga margem, a mais popular fonte de informação e a escolha preferencial para obter notícias, adiante da televisão, jornais e rádio, de acordo com uma nova pesquisa veiculada nos Estados Unidos.

Mas apenas uma pequena fração dos adultos norte-americanos considera que sites sociais como o Facebook ou MySpace sejam boas fontes de notícias, e ainda menos deles optariam pelo Twitter.

Mais de metade das pessoas entrevistadas durante a pesquisa da Zogby Interactive afirmaram que selecionariam a Internet, se tivessem de escolher uma única fonte de notícias; o percentual que optou pela televisão foi de 21 por cento, e o rádio e jornais ficaram cada qual com 10 por cento.

Apenas 10 por cento dos entrevistados descreveram os sites de redes sociais como importantes em termos noticiosos, e apesar do entusiasmo da mídia com relação ao Twitter, apenas 4 por cento dos pesquisados recorreriam ao serviço para informação.

A Internet também foi selecionada como a mais confiável das fontes de notícia por cerca de 40 por cento dos adultos, ante os 17 por cento que optaram pela televisão, os 16 por cento que ficaram com jornais e os 13 por cento do rádio.

"A pesquisa reforça a idéia de que os esforços dos jornais e estações de televisão e rádio estabelecidos para conduzir os consumidores aos sites que esses veículos mantêm na Web estão funcionando", afirmou a Zogby em comunicado.

Quase metade dos 3.030 adultos entrevistados na pesquisa online afirmaram que os sites dos grandes jornais nacionais eram importantes para eles, seguidos por 43 por cento de entrevistados que disseram o mesmo sobre os sites de canais de TV.

Os blogs são vistos como menos necessários do que os sites, e apenas 28 por cento dos entrevistados declararam que blogs que compartilham de seus pontos de vista político são importantes.

"Que os sites da mídia noticiosa tradicional sejam considerados por larga margem como mais importantes que os sites de blogs -a maioria dos quais expressam opiniões desprovidas de informações objetivas- pode ser visto como desdobramento positivo para a mídia como um todo", acrescentou a Zogby.