Tradução do Google quer melhorar acesso a dados sobre o Irã

sexta-feira, 19 de junho de 2009 11:47 BRT
 

SAN FRANCISCO, Estados Unidos (Reuters) - O Google lançou uma ferramenta que traduz blogs, notícias e mensagens de texto do inglês para o farsi, e vice-versa, o que segundo a empresa "melhorará o acesso à informação", em meio aos tumultos e às restrições impostas à imprensa depois da contestada eleição presidencial contestada no Irã.

A decisão é o mais recente exemplo do papel cada vez mais importante que a tecnologia de Internet está desempenhando durante os mais sérios tumultos políticos enfrentados pelo Irã desde a revolução islâmica acontecida 30 anos atrás.

O Google anunciou em seu blog, na sexta-feira, que o farsi, o idioma mais comum no Irã, agora se tornou o 42o idioma disponível em seu serviço online de tradução.

O serviço traduz automaticamente textos de sites, blogs e mensagens de email, do inglês para o farsi e do farsi para o inglês.

Franz Och, vice-presidente de ciência do Google e diretor do grupo de tradução da empresa, declarou em entrevista à Reuters que dados os recentes acontecimentos no Irã, era "uma ideia natural" oferecer às pessoas acesso a recursos de comunicação e informação.

"A ferramenta vai melhorar o acesso das pessoas à informação dentro e fora" do Irã, declarou.

O Google já estava trabalhando para adicionar o farsi ao Google Translate, mas a equipe acelerou o lançamento do produto diante da situação atual. Ele se recusou a especificar quando o Google começou a trabalhar na versão farsi da ferramenta de tradução.

O Irã, quinto maior exportador mundial de petróleo, foi abalado por protestos violentos depois que os resultados oficiais da eleição presidencial da semana passada foram anunciados, com vitória esmagadora do presidente Mahmoud Ahmadinejad.

Os partidários do candidato oposicionista derrotado Mirhossein Mousavi alegam que a eleição foi fraudada.

Já que os jornalistas estrangeiros estão proibidos de deixar suas redações para cobrir as manifestações de rua, tecnologias de Internet como o Facebook, YouTube e Twitter se tornaram ferramentas vitais para manter as pessoas informadas, dentro e fora do Irã.

No início desta semana, o Departamento de Estado dos Estados Unidos contatou o serviço de microblogs Twitter para pedir à companhia para adiar uma planejada atualização de seus sistemas que impediria o acesso ao site no Irã durante o período de manutenção. O departamento citou a importância do serviço como ferramenta de comunicação.