China proíbe usuário comum de acessar sites sobre saúde sexual

quinta-feira, 25 de junho de 2009 15:31 BRT
 

PEQUIM (Reuters) - Usuários comuns da Internet na China não poderão acessar sites relacionados a pesquisa e saúde sexual a partir do próximo mês, como parte de uma ofensiva contra a pornografia online.

Os provedores de informação médica devem instalar um software que permita apenas os profissionais a acessarem informações e pesquisas sobre sexo, de acordo com as novas regulamentações publicadas pelo Ministério da Saúde em sua página na Internet.

"Está proibido divulgar conteúdo pornográfico em nome de pesquisas sexuais", disse a regulamentação.

A nova regra, no entanto, ameaça prejudicar a educação sexual em um país onde a maioria das pessoas é muito tímida para falar sobre sexo publicamente.

Salas de bate-papo online em sites populares, que são uma das poucas fontes de informação sobre sexo e as doenças sexualmente transmissíveis, também estão incluídas na regulamentação.

"As partes de saúde dos portais da web não têm autorização para ter serviços de pesquisa relacionada ao sexo", acrescentou a regulamentação.

O texto não especifica exatamente o que está incluído em "pesquisa científica" sobre sexo.

As novas regras foram publicadas após uma série de medidas antipornografia na Internet, que culminaram com o anúncio este mês de que o governo de Pequim vai exigir a instalação de um filtro de Internet para todos os novos computadores produzidos ou entregues após 1o de julho.

(Reportagem da Redação de Pequim)