Fabricantes de PCs se adequam às regras de censura na China

sexta-feira, 26 de junho de 2009 11:09 BRT
 

TAIPEI (Reuters) - Menos de uma semana antes do término do prazo limite para as fabricantes de computadores instalarem o software de censura em todos os computadores vendidos na China, algumas dizem estar preparadas para implementá-lo mesmo que continuem se opondo à medida.

Em 19 de maio, a China informou que todos os computadores pessoais vendidos no país devem ter o filtro de Internet "Green Dam" instalado a partir de 1o de julho, iniciativa defendida pelo governo para proteger a juventude chinesa da pornografia, mas que para críticos é uma forma de censura.

Fontes em fabricantes de computadores disseram que embora as companhias estejam se preparando para implementar as regras, provavelmente aguardarão até o último minuto antes de enviar o software aos seus distribuidores.

"A companhia aceitará a regra e a direção está avaliando o assunto, mas ainda está considerando sua posição", disse uma fonte de um importante fabricante de computadores à Reuters, na condição de anonimato.

"Eles estão tentando conseguir ajuda do governo norte-americano, e realmente esperam que as atuais negociações ajudarão."

"Nós estamos ficando ao lado do governo dos Estados Unidos sobre esse assunto. Eu não sei se conseguiremos cumprir o prazo limite de 1o de julho, mas ainda estamos trabalhando para ver o que podemos fazer", afirmou outra fonte.

A Acer foi a única fabricante de computadores a admitir que obedecerá as regras. Outras marcas importantes como HP e Dell repetiram comunicados anteriores de que buscarão informação adicional sobre o assunto.

"Nós obviamente veremos como podemos melhor acomodar as regras", disse o porta-voz da Acer, Henry Wang. "Há regras quando operamos em qualquer país, e teremos que cumprir se necessário".

 
<p>Usu&aacute;rios de lan house em Changzhi. Menos de uma semana antes do t&eacute;rmino do prazo limite para as fabricantes de computadores instalarem o software de censura em todos os computadores vendidos na China, algumas dizem estar preparadas para implement&aacute;-lo mesmo que continuem se opondo &agrave; medida.</p>