Aumentam casos de cibercrime no Facebook

segunda-feira, 29 de junho de 2009 18:04 BRT
 

Por Jim Finkle

BOSTON (Reuters) - O cibercrime está se propagado rapidamente pelo Facebook, uma vez que fraudadores buscam usuários que pensam que a maior rede social do mundo é um lugar seguro na Internet para serem suas vítimas.

Lisa Severens, uma administradora de testes clínicos do Estado de Massachusetts, nos Estados Unidos, descobriu isso do pior jeito. Um vírus tomou conta de seu laptop e começou a enviar fotos pornográficas para seus colegas de trabalho.

"Foi humilhante ter que lidar com isso no trabalho", disse Severens. Seu chefe teve que trocar seu computador porque o software malicioso não pôde ser removido.

O cibercrime, que causa a perda de bilhões de dólares todo ano para empresas e indivíduos nos EUA, tem se propagado rapidamente pelo Facebook, uma vez que os esquemas visam e se aproveitam dos ingênuos para atraí-los ao lado negro da rede social, dizem especialistas em segurança.

Enquanto o MySpace, da News Corp, era o lugar mais popular para criminosos na Internet há dois anos, especialistas afirmam que os hackers agora estão infiltrados no Facebook, que deu um salto em número de usuários, de 120 milhões em dezembro para mais de 200 milhões atualmente.

"O Facebook é a rede social do momento. Os agressores vão aonde vão as pessoas. Sempre", disse Mary Landesman, pesquisadora da ScanSafe, empresa de segurança na Internet.

Os fraudadores entram nas contas fingindo ser amigos dos usuários, enviando mensagens spam que direcionam eles a sites que roubam informações pessoais e espalham vírus. Os hackers tendem a tomar controle do PC infectado para roubo de identidade, spam e outros crimes.

O Facebook administra a segurança do site de sua sede em Palo Alto, no Estado da Califórnia, filtrando a maioria dos spams e software malintencinados direcionados a seus usuários. Isso devia tornar o site mais seguro do que outras partes da Web, mas os criminosos são implacáveis e alguns conseguem passar pelo filtro do Facebook.   Continuação...