Bíblia mais antiga volta a ser reunida online

segunda-feira, 6 de julho de 2009 11:31 BRT
 

Por Stefano Ambrogi

LONDRES (Reuters) - As partes sobreviventes da mais antiga Bíblia do mundo serão reunidas online na segunda-feira, o que gera excitação entre os estudiosos bíblicos que continuam tentando desvendar seus mistérios.

O Codex Sinaiticus foi manuscrito por quatro escribas gregos em couro animal, um material conhecido como velino, na metade do século 4, mais ou menos no período em que o imperador romano Constantino, o Grande, adotou o cristianismo como religião oficial do Estado.

Nem todo o documento sobreviveu aos estragos do tempo, mas as páginas que o fizeram incluem todo o Novo Testamento e a cópia sobrevivente mais antiga dos Evangelhos escritos em diferentes momentos depois da morte de Cristo pelos quatro evangelistas: Mateus, Marcos, Lucas e João.

As 800 páginas e fragmentos que restam da Bíblia --a qual originalmente tinha 1,4 mil páginas-- contêm igualmente uma cópia do Velho Testamento. A outra metade se perdeu.

"O Codex Sinaiticus é um dos mais antigos tesouros escritos do mundo", disse Scot McKendrick, diretor de manuscritos ocidentais na British Library.

"Esse manuscrito de 1.600 anos de idade oferece um vislumbre sobre o desenvolvimento do cristianismo em seus primeiros anos e provas em primeira mão de como o texto da Bíblia foi transmitido de geração em geração", disse.

Os textos incluem numerosas revisões, acréscimos e correções realizados ao longo de sua evolução.

"O Codex é provavelmente o maior livro encadernado a ter sobrevivido", afirmou McKendrick, informando que cada página tem 40 centímetros de altura por 35 de largura.

"Em termos críticos, ele marca o claro triunfo dos códices encadernados sobre os rolos (de papiro) --um importante marco para determinar a maneira pela qual a Bíblia cristã veio a se transformar em texto sagrado", acrescentou.

Os textos são uma compilação de seções detidas pela British Library, de Londres; pelo mosteiro de Santa Catarina do Sinai, no Egito; pela Biblioteca Nacional da Rússia e pela biblioteca da Universidade de Leipzig, na Alemanha.

 
<p>O Codex Sinaiticus est&aacute; atualmente em exposi&ccedil;&atilde;o no British Library, em Londres. REUTERS/Kieran Doherty</p>