Órgão antitruste do México decide que Telmex é dominante

segunda-feira, 6 de julho de 2009 16:59 BRT
 

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - A agência antitruste do México decidiu na segunda-feira que a Telmex, a gigante da telefonia fixa no país, controlada pelo bilionário Carlos Slim, tem posição dominante no mercado de chamadas telefônicas locais e no aluguel de linhas dedicadas.

A Telmex, antigo monopólio estatal, controla cerca de 80 por cento do mercado de telefonia fixa mexicano e é a maior provedora de acesso à Internet no país.

A declaração formal de que a Telmex ocupa posição dominante abre a possibilidade de uma intensificação da regulamentação sobre a empresa, anunciou a agência antitruste Cofeco em comunicado.

O conselho da Cofeco confirmou resoluções de que a Telmex ocupa posição dominante no mercado de telefonia local e no aluguel de conexões dedicadas, no mercado de atacado. As duas coisas se relacionam ao roteamento de telefonemas.

"Trata-se de mercados nos quais a possibilidade de criar concorrência nova é limitada, mas que são indispensáveis a qualquer empresa que deseje prestar serviços de telefonia", afirmou a Cofeco.

Um porta-voz da Telmex declarou que a empresa não tem comentários sobre a decisão.

A Telmex controla quase todos os cabos de telefonia do país e até mesmo os cabos de cobre que conduzem aos domicílios, e isso lhe oferece posição poderosa contra empresas menores ávidas por oferecer serviços de telefonia ou Internet, mas que para isso precisam de acesso à infraestrutura.

Mas a concorrência contra a Telmex vem crescendo nos últimos anos, com a chegada de serviços de telefonia e Internet oferecidos por operadoras de TV a cabo. Além disso, alguns clientes estão abandonando suas linhas fixas da Telmex em troca de celulares.

As decisões sobre quatro outros negócios da Telmex ainda estão pendentes.

O México sofre de falta de competição em setores como televisão, cimento, cerveja e refrigerantes, mas a fraca concorrência nas telecomunicações é vista como especialmente responsável por retardar o desenvolvimento econômico do país.

(Reportagem de Tomas Sarmiento)