Google discute vínculo com Apple com lançamento de novo software

sexta-feira, 10 de julho de 2009 10:56 BRT
 

SUN VALLEY, Estados Unidos (Reuters) - O presidente-executivo do Google, Eric Schmidt, afirmou que conversará com a Apple sobre como seu papel no conselho daquela empresa pode mudar após a iniciativa do Google de lançar um novo sistema operacional.

No início desta semana, o Google anunciou que estava desenvolvendo um software para computadores pessoais baseado no navegador de Internet Chrome, que competirá com o Windows, da Microsoft, e com a plataforma OS X, da Apple.

Schmidt acrescentou na quinta-feira durante a conferência de tecnologia e mídia Allen & Co, em Idaho, que as fabricantes de computadores podem anunciar produtos com o sistema Chrome OS no final deste ano.

Schmidt, cuja companhia está resistindo melhor que as outras à recessão, também disse que embora a pior fase do declínio econômico tenha passado, não há nenhum sinal forte de uma recuperação imediata.

"Nós estamos atravessando um choque, um colapso. Eu diria que o pior ficou para trás, falando de modo generalizado, mas não especificamente para o Google", disse ele a repórteres, junto com o co-fundador da companhia, Larry Page.

De acordo com a lei federal de competitividade, uma pessoa não pode atuar no conselho de duas companhias se isso interferir na concorrência.

"Eu conversarei com o pessoal da Apple. No momento, não há mudanças", afirmou o executivo.

O Google, principal companhia de busca na Internet no país, está sob crescente investigação regulatória.

A Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos está averiguando se os laços entre os conselhos da Apple e do Google violam as leis de competitividade.

Schmidt e o ex-presidente-executivo da Genentech, Arthur Levinson, são diretores de ambas as empresas.

( Por Alexei Oreskovic e Yinka Adegoke)

 
<p>O presidente-executivo do Google, Eric Schmidt, afirmou que conversar&aacute; com a Apple sobre como seu papel no conselho daquela empresa pode mudar ap&oacute;s a iniciativa do Google de lan&ccedil;ar um novo sistema operacional. REUTERS/Rick Wilking</p>