Seis dentre 10 empresas não planejam adotar Windows 7

segunda-feira, 13 de julho de 2009 09:35 BRT
 

SAN FRANCISCO, Estados Unidos (Reuters) - Seis dentre 10 companhias ouvidas em uma pesquisa não planejam usar o sistema operacional Windows 7. A justificativa da maioria delas é economizar capital, mas outras apontam preocupações com compatibilidade do sistema com aplicações existentes.

O Windows 7 será lançado pela Microsoft em 22 de outubro, mas já acumula boas críticas, em contraste à decepcionante versão atual do sistema, o Vista.

Grande parte das mais de 1.000 empresas que responderam à pesquisa feita pela ScriptLogic Corp disseram ter decidido economizar por meio do corte de atualizações de software e estão sem recursos para adotar a versão mais recente do sistema da Microsoft.

A ScriptLogic Corp, que fornece ajuda a companhias no gerenciamento de redes Windows, distribuiu 20 mil questionários para administradores de tecnologia da informação com o objetivo de identificar a condição do mercado.

Muitas companhias rejeitaram o Windows Vista, considerando o produto como instável. Entre elas, a fabricante de chips Intel, parceira de longa data da Microsoft na produção de computadores pessoais, continuou com a versão XP.

O levantamento descobriu que cerca de 60 por cento dos entrevistados não planejam adotar o Windows 7, enquanto 34 por cento instalarão o sistema até o final de 2010 e apenas 5,4 por cento até o final deste ano.

Além disso, 42 por cento citaram a "falta de tempo e recursos" como principal razão para evitarem o Windows 7.

A sondagem apontou ainda que 35 por cento dos participantes já pulou atualizações anteriores ou adiou compras para economizar recursos.

Outros 39 por cento dos entrevistados disseram estar preocupados com a compatibilidade do Windows 7 com aplicativos existentes.

A pesquisa citou Sean Angus, um técnico experiente do Middlesex Hospital, afirmando que vai esperar até a distribuição pela Microsoft do primeiro "service pack" do Windows 7.

"O departamento de TI precisa realizar testes para assegurar que os aplicativos que dependemos todo o dia, especificamente os sistemas de informação radiológica e programas financeiros, sejam compatíveis antes de adotarmos qualquer nova plataforma ou software em nossos 1.500 desktops", afirma Angus na pesquisa.