Empresas iniciantes preferem Google à Microsoft

segunda-feira, 13 de julho de 2009 10:33 BRT
 

Por David Lawsky

SAN FRANCISCO, Estados Unidos (Reuters) - As empresas iniciantes do Vale do Silício estão cada vez mais deixando de lado a Microsoft e recorrendo a software acessível via Web, e podem representar a abertura de que o Google precisa para seu sistema operacional Chrome.

Analistas e executivos dizem que o Google, que anunciou o Chrome na semana passada como desafio direto às décadas de domínio da Microsoft sobre os sistemas operacionais e aplicativos de negócios, vai demorar anos a conquistar uma parcela significativa do mercado, mas as empresas iniciantes podem ser seu caminho de acesso.

Crescente número de empresários de tecnologia argumenta que o atual software da Microsoft está desatualizado e é ineficiente porque, ao contrário dos aplicativos que operam na Web em um ambiente de computação "em nuvem", eles operam na base de uma cópia por pessoa de cada vez, em lugar de permitir que os usuários compartilhem informações.

"Em um ambiente empresarial, a pessoa não faz as coisas sozinha", disse Tien Tzuo, presidente-executivo da Zuora, uma empresa que vende software que facilita cobranças online. "A ideia de enviar e receber arquivos é simplesmente arcaica", diz Tzuo. "Por que não fornecer aos funcionários um aparelho barato que permita que se conectem à Internet?"

Apesa das críticas, o Windows segue na liderança. Continua a ser o sistema operacional de cerca de 95 por cento dos computadores, com mais de 950 milhões de cópias operando em todo o mundo.

A chave para o sucesso do Windows é que ele oferece o maior número de aplicativos e atrai a maioria dos programadores. Mas as empresas iniciantes, que promovem eficiência e baixo custo, dizem que o sistema operacional do Google, que será gratuito, oferece aplicativos superiores.

Muitas já adotaram programas de acesso remoto, como o Google Apps, para a maioria de suas funções, de email a processamento de texto.

David Sifry, presidente-executivo da Offbeat Guides, que oferece guias online personalizados para 30 mil destinos, diz que o Google Apps permite que ele viaje sem computador, porque pode recorrer online a todos os aplicativos de que precisa.

Analistas estimam que cerca de 2 por cento dos usuários de PCs vão usar o Chrome em seu primeiro ano. O Google tem afirmado que vai primeiro tentar persuadir fabricantes de computadores como a Hewlett-Packard e Acer a oferecer o sistema em equipamentos de baixo custo que trabalham mais dedicados à Web, como netbooks.

Mas os analistas também têm dúvidas se o sistema do Google poderá ganhar atração rápida entre corporações por causa do custo da troca de plataforma e funções disponíveis em produtos da Microsoft, como o Excel.