Site publica informações sigilosas hackeadas do Twitter

quinta-feira, 16 de julho de 2009 10:04 BRT
 

SAN FRANCISCO, Estados Unidos (Reuters) - O site de notícias tecnológicas TechCrunch publicou documentos internos sigilosos pertences ao Twitter, entre os quais projeções financeiras, oferecendo um raro vislumbre sobre o popular serviço de microblogs.

O Twitter tem uma meta de receita de 140 milhões de dólares para o final de 2010, com a expectativa de que registre suas primeiras receitas --modestos 400 mil dólares-- no terceiro trimestre deste ano, de acordo com um documento publicado que o TechCrunch diz ter sido enviado ao site por um hacker.

Datado de fevereiro, o documento traz o título "Projeção Financeira", e delineia a maneira pela qual o Twitter pretende atingir os 4 milhões de dólares em receita até o quarto trimestre e manter reservas de caixa de 45 milhões de dólares no banco.

Pelo final de 2013, o Twitter espera contar com 1 bilhão de usuários, receita de 1,54 bilhão de dólares, ter 5,2 mil funcionários e obter lucro líquido de 111 milhões de dólares, de acordo com o TechCrunch.

O site, que diz ter negociado a publicação das informações com o Twitter, acrescentou em sua reportagem que o documento era extraoficial e "certamente já não é mais acurado".

O Twitter não comentou de imediato sobre as projeções. O documento publicado pelo TechCrunch não ofereceu detalhes sobre a maneira pela qual o Twitter planejava gerar essa receita.

"Estamos em contato com nossos assessores jurídicos quanto ao que esse roubo significa para o Twitter, o hacker e quem quer que aceite e subsequentemente distribua ou publique esses documentos roubados", afirmou o Twitter em um post oficial em seu blog.

O TechCrunch havia informado mais cedo na quarta-feira que um hacker anônimo havia conseguido "fácil acesso" a centenas de informações internas do Twitter -de senhas a atas de reuniões- e encaminhado os dados ao site noticioso.

O TechCrunch publicou inicialmente um único documento, que discutia um possível reality show para a televisão. Horas depois que o documento foi publicado, centenas de leitores já haviam criticado o site pela decisão.

Michael Arrington, fundador e co-editor do TechCrunch, defendeu seu direito de publicar o material, declarando que o site trataria com cautela material como registros de pessoal.