HTC vê queda na receita com lançamento atrasado de produtos

sexta-feira, 31 de julho de 2009 12:19 BRT
 

TAIPÉ, 31 de julho (Reuters) - A HTC, quarta principal marca de smartphone do mundo, reduziu drasticamente nesta sexta-feira sua projeção de receita em 2009, em forte contraste a outras companhias de tecnologia taiuanesas que forneceram previsões otimistas nos últimos dias.

A receita neste ano pode cair até 5 por cento, contra estimativa anterior de crescimento de quase 10 por cento, informou a companhia. Segundo a HTC, a iniciativa deve-se ao atraso no lançamento de novos produtos e a uma queda mais rápida que a esperada nas vendas unitárias.

"Nosso desempenho na segunda metade deste ano pode não ser tão forte como pensávamos que seria inicialmente", afirmou o presidente-executivo da companhia, Peter Chou, a analistas.

"O número de celulares para o segmento médio que estamos produzindo neste ano aumentará gradualmente, o que puxará a receita para baixo".

O anúncio foi feito após o fechamento do mercado. As ações da HTC encerraram em baixa de 0,1 por cento, enquanto o principal índice do mercado taiuanês avançou 0,7 por cento. No ano, os papéis acumulam alta de aproximadamente 36 por cento.

A revisão para baixo da receita da HTC neste ano também significa que a companhia está ficando para trás do crescimento geral do setor. A empresa de pesquisa de mercado Gartner prevê que o número de usuários de smartphone cresça mais de 30 por cento em relação a 2008.

A HTC também elevará seu orçamento operacional neste ano para acima de 15 por cento, contra 13,5 por cento anteriormente, à medida que se envolve em uma ampla campanha de marketing para competir com rivais, como a Nokia e o iPhone, da Apple.

A companhia também informou que prevê que a margem de lucro bruta anual e do terceiro trimestre fique em torno de 32 por cento, em linha com a projeção anterior, mesmo em meio à crescente competitividade no segmento de smartphones.

Muitos analistas previam que as margens de lucro de fabricantes de smartphones, como HTC, Research in Motion e Nokia, fossem pressionadas, conforme companhias como a Acer entram no mercado.

"Já havia alguns indicadores iniciais disso quando vimos uma porção de novos modelos no segundo trimestre, mas nenhum crescimento na receita", disse Pranab Sarmah, diretor de pesquisa em tecnologia da Daiwa Institute of Research.