Tribunais de EUA e Canadá aprovam leilão de unidade da Nortel

terça-feira, 4 de agosto de 2009 14:31 BRT
 

Por Tom Hals

WILMINGTON, Estados Unidos (Reuters) - A Nortel Networks recebeu aprovação de tribunais dos Estados Unidos e do Canadá para venda de sua unidade de negócios voltados para empresas, desmantelando ainda mais o antigo ícone do setor de telecomunicações.

A Nortel informou que acertou acordo para vender a unidade de serviços corporativos para a Avaya por 475 milhões de dólares depois de considerar quatro ofertas em potencial. A unidade produz redes para companhias.

A empresa pediu proteção contra falência no Canadá e nos Estados Unidos em janeiro, citando a crise econômica como responsável pelo descarrilamento de seu esforço de recuperação. A companhia já foi a maior fabricante de equipamentos de telecomunicações da América do Norte.

A Nortel está vendendo a divisão de serviços para empresas, que permite aos clientes combinarem serviços de voz e dados, por causa da competição gerada por companhias como Cisco Systems e porque não tem recursos para manter os negócios da área.

Os negócios da Nortel têm se deteriorado durante o processo de recuperação judicial porque os clientes estão abandonando a empresa com a expiração de contratos, afirmou o advogado contratado pela empresa nos Estados Unidos, James Bromley, em audiência em tribunal de falências.

A venda proposta da divisão empresarial da Nortel para a Avaya ficará aberta a propostas rivais até 4 de setembro, para o leilão marcado para dia 11 do mesmo mês.

No mês passado, a Nortel leiloou para a Ericsson, por 1,13 bilhão de dólares, sua divisão de telecomunicações sem fio. O preço inicial, proposto pela Nokia Siemens Networks, era de 650 milhões de dólares.

Na audiência desta terça-feira, em que os tribunais aprovaram a venda da divisão para a Avaya, os advogados da Nortel afirmaram que a venda da unidade é mais complicada que a a área de telefonia sem fio porque tem muitos contratos que cobrem períodos de tempos menores.

Diante disso, a Nortel decidiu que deixará o comprador optar por quais contratos manterá. A divisão emprega 7.800 funcionários.