UE negligenciou prova no caso de antitruste da Intel, diz jornal

sexta-feira, 7 de agosto de 2009 19:01 BRT
 

SAN FRANCISCO (Reuters) - Uma autoridade da União Europeia irá informar as agências reguladores antitruste de que houve uma falha na decisão contra a fabricante de chips Intel, informou o Wall Street Journal nesta sexta-feira.

A Comissão Europeia entendeu em maio que a Intel havia praticado ações ilegais para comprimir sua concorrente AMD do mercado, aplicando à maior fabricante de microprocessadores do mundo uma multa recorde de 1,06 bilhão de euros.

O ombudsman da União Europeia P. Nikiforos Diamandouros não tem autoridade para reverter a multa, mas é esperado que ele entregue um relatório à comissão acusando-a de "má administração", de acordo com o relatório, ainda não publicado, obtido pelo Wall Street Journal.

Diamandouros é uma das poucas autoridades independentes do poderoso braço executivo da UE, a Comissão Europeia, segundo o jornal.

A Comissão não registrou no caso um relato formal da reunião de agosto de 2006 entre a Comissão e um executivo de alto escalão da Dell durante a qual o representante da fabricante norte-americana de computadores teria qualificado o desempenho dos chips da ADM de "muito fraco", conforme o Wall Street Journal.

Isso poderia sugerir que a Dell escolheu usar os chips da Intel por razões técnicas, e não por ser forçada a fazê-lo, segundo o jornal. Mas é improvável que isso tivesse alterado o resultado do julgamento, acrescentou a reportagem.

Representantes da Intel não foram imediatamente localizados para comentar o assunto.

(Reportagem de Clare Baldwin)