Barnes & Noble planeja compra na área de livro didático digital

segunda-feira, 10 de agosto de 2009 17:17 BRT
 

Por Alexandria Sage

SAN FRANCISCO (Reuters) - A norte-americana Barnes & Noble planeja adquirir a Barnes & Noble College Booksellers por 596 milhões de dólares, em uma transação que expandirá a base de varejo da cadeia de lojas e também permitirá que ingresse no florescente campo de livros didáticos digitais.

A Barnes & Noble, uma cadeia com mais de 750 livrarias nos Estados Unidos, e a cadeia de livrarias universitárias operavam como empresas de capital fechado até que a primeira abrisse seu capital, em 1993. As duas cadeias foram divididas em 1986, quando a companhia precisava de dinheiro para adquirir a B. Dalton Booksellers, que foi integrada à Barnes & Noble.

A aquisição cimentaria o espaço que a Barnes & Noble começa a conquistar no mercado de livros didáticos digitais, que na opinião de alguns analistas representa a maior oportunidade para os fabricantes de aparelhos de leitura eletrônica.

A Barnes & Noble anunciou que a aquisição elevará sua receita por ação em entre 30 e 35 por cento em base anualizada.

Como outras cadeias físicas de livrarias, nos últimos anos a Barnes & Noble está enfrentando uma queda nas vendas de livros no mercado norte-americano, que movimenta cerca de 25 bilhões de dólares anuais, porque mais leitores vêm optando por comprar livros online.

Mas o setor de livros didáticos --que movimenta 5,2 bilhões de dólares anuais para o segmento de livros pré-escolares até o secundário e mais 5 bilhões de dólares ao ano no segmento de livros universitários nos EUA-- é visto como oportunidade crescente, à medida que mais escolas introduzem computadores e livros eletrônicos em suas salas de aula.

No mês passado, a Barnes & Noble criou uma loja online para livros em formato digital, definindo-a como a maior do mundo, e informou que ela seria a fornecedora exclusiva de conteúdo para o leitor eletrônico da Plastic Logic.

O aparelho vai concorrer com o Kindle, da Amazon.com, e com leitores eletrônicos produzidos pela Sony e alguns outros fabricantes, entre os quais um suposto computador dotado de tela de toque que seria lançado pela Apple, na opinião de alguns analistas ainda antes do final deste ano.