Oi tem prejuízo de R$146 milhões no 2o tri

sexta-feira, 14 de agosto de 2009 08:42 BRT
 

Por Cesar Bianconi

SÃO PAULO (Reuters) - A Oi teve prejuízo líquido consolidado de 146 milhões de reais no segundo trimestre, resultado que se compara ao lucro líquido proforma de 288 milhões de reais em igual intervalo de 2008, com aumento significativo das despesas financeiras.

O grupo de telecomunicações também viu, do lado operacional, queda na receita e na geração de caixa na comparação com o período de abril a junho do ano passado. O faturamento líquido caiu 2,4 por cento, para 7,302 bilhões de reais.

O Ebitda, sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação, recuou 4,6 por cento, atingindo 2,323 bilhões. A margem Ebitda cedeu 0,8 ponto percentual, para 31,8 por cento.

A companhia teve despesa financeira líquida de 496 milhões de reais no segundo trimestre, contra resultado financeiro negativo de 69 milhões de reais um ano antes. A linha que mais cresceu foi a de pagamento de juros sobre empréstimos e financiamentos, que saltou para 650 milhões de reais, ante 317 milhões de reais no mesmo intervalo do ano passado.

Segundo a Oi, a piora do resultado financeiro na comparação anual ocorreu devido "ao maior volume médio da dívida, aliado ao maior custo de captação no mercado brasileiro a partir do terceiro trimestre de 2008", em meio ao agravamento da crise financeira global.

A companhia encerrou o trimestre passado com queda na receita média por assinante (Arpu) na telefonia celular, banda larga e telefonia fixa, na comparação anual. Os clientes de telefonia móvel somaram no final de junho 33,93 milhões, avanço de 34 por cento. Enquanto isso, os usuários de banda larga encerraram em 4,07 milhões, alta de 15,7 por cento.

A Oi completou no final de junho a compra das ações da BrT com a realização de ofertas públicas (OPAs). Depois das OPAs, o total desembolsado chegou a 12,4 bilhões de reais, para aquisição de 55 por cento do capital da BrT Participações e de 11 por cento da BrT operadora.

O grupo terminou junho com dívida líquida consolidada de 21,6 bilhões de reais, aumento de 2,4 bilhões de reais ante março. O endividamento corresponde a 2,2 vezes o Ebitda ajustado dos últimos 12 meses, segundo a Oi. O aumento da dívida entre março e junho foi ocasionado pela compra de ações ordinárias durante a oferta pública realizada em 23 de junho, que resultou no pagamento de quase 2,7 bilhões de reais aos acionistas minoritários da BrT.