Robôs-gatos podem cuidar de idosos britânicos

quinta-feira, 20 de agosto de 2009 09:42 BRT
 

Por Farah Master

LONDRES (Reuters) - Gatos mecânicos e outras engenhocas podem fazer companhia a idosos britânicos dentro de três anos, caso a sociedade seja convencida a fazer esse tipo de experiência com robôs.

Um relatório da Real Academia de Engenharia, publicado nesta quinta-feira, mostra que soldados-robôs e dispositivos cirúrgicos estão sendo rapidamente desenvolvidos, mas que o debate ético e jurídico está ficando para trás.

"Isso não se restringe pelas possibilidades tecnológicas tanto quanto pelo desejo de fazer -- e isso está vinculado a todo tipo de fatores sociais", disse o professor Will Stewart, da Universidade de Southampton, que contribuiu para o relatório.

Além de criar mascotes-robôs, seria possível também automatizar babás, terapeutas e companhias sociais e até mesmo sexuais, segundo o relatório.

Como os idosos devem constituir cerca de metade da população britânica até 2020, os robôs também poderiam ajudar a cuidar da saúde desse grupo.

"Não é um substituto completo para uma ligação semanal do seu filho. O que se quer é uma atenção contínua, e isso é muito difícil", disse Stewart.

Um mascote robótico poderia disparar um alarme em caso de acidente, monitorar o conteúdo da geladeira e alertar o morador idoso a desligar a calefação quando for necessário.

Mas há desafios éticos, como a possibilidade de que os robôs levem a um maior isolamento dos idosos. Também seria preciso regulamentar a grande quantidade de dados armazenados nesse tipo de monitoramento.   Continuação...

 
<p>Menina conversa com rob&ocirc; Instant Messenger Robot exibido no International Robot Show em Taip&eacute;. Um relat&oacute;rio da Real Academia de Engenharia, publicado nesta quinta-feira, mostra que gatos mec&acirc;nicos e outras engenhocas podem fazer companhia a idosos brit&acirc;nicos dentro de tr&ecirc;s anos, caso a sociedade seja convencida a fazer esse tipo de experi&ecirc;ncia.</p>