Vivo mantém custos na mira e busca melhor perfil de dívida

quinta-feira, 20 de agosto de 2009 19:10 BRT
 

Por Cesar Bianconi

SÃO PAULO (Reuters) - A "revisão de processos" com vistas a reduzir custos continuará a ser palavra de ordem na Vivo, afirmou a nova vice-presidente financeira da operadora móvel, Cristiane Barretto.

"A redução de custos não termina nunca", disse ela em entrevista à Reuters nesta quinta-feira.

No final de julho, a empresa controlada por Telefónica e Portugal Telecom divulgou resultado no segundo trimestre melhor que o esperado pelo mercado.

Um dos destaques foi em custos operacionais, que caíram 7,2 por cento de abril a junho na comparação anual e diminuíram 2,8 por cento sobre o primeiro trimestre de 2009.

Cristiane assumiu o posto na quarta-feira, no lugar do argentino Ernesto Gardelliano, que está voltando ao seu país de origem para assumir uma posição na Telefónica/Movistar, após mais de quatro anos no Brasil.

"Vou seguir a linha que o Ernesto vem adotando, que é crescimento com rentabilidade... sem nenhum tipo de inflexão e ruptura no caminho que vimos trilhando", comentou ela.

Gardelliano entrega o posto depois de ter liderado a reorganização societária da companhia --que é o resultado da união de diversas sociedades. "A Vivo era uma marca e virou uma empresa", destacou o executivo.

A Vivo encerrou junho com quase 1,8 bilhão de reais em caixa e aplicações, para uma dívida bruta de 6,5 bilhões de reais. Segundo Gardelliano, a posição financeira é "mais que confortável".   Continuação...