Ações da Alcatel disparam com rumor de oferta chinesa

quarta-feira, 26 de agosto de 2009 08:57 BRT
 

PARIS, 26 de agosto (Reuters) - As ações da Alcatel-Lucent saltavam 14,4 por cento nesta quarta-feira, com operadores citando rumores sobre uma possível oferta de um fabricante chinês de equipamentos de telecomunicações, bem como uma revisão na recomendação da empresa pelo Natixis.

Uma porta-voz da companhia se recusou a comentar sobre o desempenho das ações. Representantes das chinesas ZTE e da Huawei disseram não ter ouvido falar sobre qualquer proposta pela Alcatel-Lucent.

A Alcatel-Lucent tem sofrido para retornar ao lucro desde sua criação a partir de uma fusão em 2006 que supostamente deveria ajudá-la a cortar despesas e melhorar competitividade contra uma nova geração de fabricantes chineses que incluem a Huawei e a ZTE.

Uma oferta chinesa pela Alcatel-Lucent pode gerar problemas regulatórios por conta do papel da companhia, através da Bell Labs, como fornecedora do governo e do exército nos Estados Unidos, segundo analistas.

"Eu não acredito que tal acordo realmente será possível", disse Eric Beaudet, analista do Natixis.

A Alcatel-Lucent também deve ser cautelosa sobre uma outra fusão após as dificuldades de integração enfrentadas após a compra da Lucent em 2006.

A companhia sofreu para reduzir custos rapidamente após a fusão, já que não podia suspender produtos por medo de perder clientes, e atritos culturais entre as gestões francesa e norte-americana também não ajudaram.

Alguns analistas ainda acreditam que a Alcatel-Lucent se recuperou e pode alcançar lucro em breve.

O banco francês Natixis elevou nesta quarta-feira a recomendação da Alcatel-Lucent de "reduzir" para "comprar" e aumentou o preço-alvo para 3 euros por ação, ante 1,80 euro. O banco citou melhoras nos negócios de rede sem fio e a percepção de que a integração da Lucent está quase completa.

 
<p>Executivo da Alcatel-Lucent, Ben Verwaayen, d&aacute; entrevista em Paris. As a&ccedil;&otilde;es da Alcatel-Lucent saltaram nesta quarta-feira, com operadores citando rumores sobre uma poss&iacute;vel oferta de um fabricante chin&ecirc;s de equipamentos de telecomunica&ccedil;&otilde;es, bem como uma revis&atilde;o na recomenda&ccedil;&atilde;o da empresa pelo Natixis.</p>