Cisco quer reconquistar mercado perdido em roteadores edge

quarta-feira, 26 de agosto de 2009 14:32 BRT
 

NOVA YORK, 26 de agosto (Reuters) - A Cisco Systems, anunciou ter obtido um contrato para fornecer roteadores à Telstra, maior operadora de telefonia da Austrália, e que seu foco é reconquistar parte do mercado que perdeu recentemente.

A Cisco informou que está elevando capacidade de seus roteadores a fim de permitir que os usuários recebam tráfego de vídeo com mais facilidade, uma medida que espera ajude a atrair clientes de rivais norte-americanas menores como a Juniper Networks, bem como da francesa Alcatel-Lucent e da chinesa Huawei Technologies.

"Preciso reconhecer que no mercado de roteadores edge, claramente perdemos participação", disse Kelly Ahuja, vice-presidente sênior e gerente geral do grupo de tecnologia de roteadores para provedores de serviços da Cisco, em conversa telefônica com analistas.

A Cisco anunciou que duplicará a densidade de seu principal roteador edge, o ASR 9000, para permitir que clientes --especialmente operadoras de telefonia e provedores de acesso à Internet-- ofereçam serviço de vídeo online e Internet móvel sem interrupções.

Os roteadores edge ficam posicionados na periferia da rede de um provedor de serviço, próximos aos usuários finais. Esses equipamentos podem aliviar a sobrecarga da rede mais ampla e ajudar a conduzir vídeo de maneira mais eficiente, porque, por exemplo, os clientes de serviços de cabo não precisarão utilizar o núcleo da rede sempre que quiserem fazer download de um filme, por exemplo.

A empresa não revelou o tamanho ou valor do contrato com a Telstra. O ASR 9000 concorre com produtos semelhantes da Juniper Networks e da Alcatel-Lucent.

Suraj Shetty, vice-presidente mundial de marketing para provedores de serviços na Cisco, afirmou que o acordo demonstra que a empresa está conquistando mercado e que a demanda por esses equipamentos é forte apesar da fraqueza da economia mundial, que está forçando alguns clientes da empresa a operar suas redes perto da capacidade máxima.

A Cisco prevê que o tráfego mundial de Internet cresça em 500 por cento de 2008 a 2013 e Shetty antecipou que, pelo final desse período, 90 por cento do tráfego de Internet ao consumidor será de vídeo.