Criminosos "caçam" vítimas usando Facebook e Twitter--seguradora

sexta-feira, 28 de agosto de 2009 16:53 BRT
 

SYDNEY, 28 de agosto (Reuters) - Usuários do Facebook entusiasmados com a chegada do feriado ou com um aparelho de alta tecnologia recém comprado podem não apenas estar contando aos amigos, mas também a potenciais assaltantes, alerta uma seguradora.

Um pesquisa com 2.092 usuários de mídia social realizada pela empresa britânica Legal & General descobriu que quase quatro a cada 10 pessoas que utilizam sites de rede social, ou 38 por cento, publicam detalhes de planos para o feriado, e 33 por cento informações sobre um final de semana fora de casa.

"Juntamente com a descoberta de que uma proporção alarmante de usuários está preparada para ser contato de pessoas que na verdade não conhecem, isso apresenta um sério risco à segurança da casa e dos pertences do indivíduo", afirma a seguradora.

Em um relatório entitulado "O Criminoso Digital", a Legal & General informa que as pessoas usam sites de mídia social para se conectar com outras que são essencialmente desconhecidas, o que pode fornecer informação vital para potenciais ladrões.

Para testar quão rapidamente as pessoas aceitam "amigos" online, a pesquisa, conduzida pela Opinion Matters, envolveu o envio de 100 solicitações a estranhos selecionados por acaso.

Dentre o total, uma proporção de 13 por cento aceitou o convite no Facebook e 92 por cento no Twitter, sem qualquer checagem.

Mas além destes novos "amigos", o levantamento descobriu que quase dois terços, ou 64 por cento, daqueles com idade entre 16 e 24 anos compartilham seus planos para o feriado, com os usuários mais jovens mais suscetíveis a fornecer dados sobre os planos de viagem.

Segundo a pesquisa, os homens são bem relaxados sobre dar informações online, com 13 por cento incluindo o número do celular no perfil, contra 7 por cento das mulheres. Nove por cento deles também divulgou o endereço, enquanto apenas quatro por cento das mulheres o fizeram.

"Essa reação pode resultar em um completo estranho obtendo detalhes sobre interesses, localização e movimentos da pessoa dentro e fora de casa", sustenta a Legal & General.

 
<p>Publicar informa&ccedil;&otilde;es pessoais como planos de viagem ou a compra de um novo aparelho no Facebook pode ser perigoso, diz seguradora. REUTERS/Alessandro Bianchi</p>