Morgan Stanley rebaixa rating da indústria de softwares

terça-feira, 8 de setembro de 2009 16:12 BRT
 

(Reuters) - O Morgan Stanley rebaixou o rating da indústria de softwares nesta terça-feira, de "atraente" para "em linha", afirmando haver um potencial limitado de alta para essas ações, com a recuperação econômica entrando na fase de "crescimento", que, historicamente, corresponde ao período em que o desempenho do setor de softwares tende a perder a força.

"Uma vez que os lucros por ação do setor de softwares caiu apenas 5 por cento sobre o ano anterior em 2009, com seu nível mais baixo bem acima de outras indústrias, há menos potencial para uma reaceleração do que em outros grupos, como o de hardware", disse a analista Kathryn Huberty em relatório.

A corretora rebaixou a Autodesk e a Citrix Systems de "equal-weight" para "underweight".

No começo do dia, a corretora elevou sua perspectiva para o setor de hardware de "em linha" para "atraente", com base na recuperação de receita mais acelerada e fortes margens de operação para 2010, que atualmente são pouco levadas em conta por investidores.

A corretora elevou o preço-alvo para Apple e IBM, entre algumas outras.

O Morgan Stanley rebaixou, no entanto, IBM, além de Teradata e Dell, de "overweight" para "equal-weight".

"Mais recentemente, os resultados de receita no nosso setor superaram expectativas pela primeira vez desde junho de 2008, e destacam uma tendência semelhante à do terceiro trimestre de 2002 (quando as bolsas e outros índices fundamentais atingiram seus níveis mais baixos na última retração econômica)", escreveu Huberty.

Vice-presidentes de informática também estão sinalizando que seus orçamentos para TI estão começando a se estabilizar, acrescentou a analista.

Despesas fixas com fabricação, vendas e serviços elevam a alavancagem operacional com a recuperação da receita, realçada por uma margem média incrementada no segundo trimestre de 2009, observou Huberty.

A corretora destacou Hewlett-Packard, QLogic, Netezza e EMC como empresas que oferecem a melhor relação risco-recompensa, uma vez que as despesas com armazenamento e servidores começam a mostrar uma melhora sequencial na receita no segundo trimestre de 2009.

(Reportagem de Mansi Dutta em Bangalore)