Vale do Silício reinventa o humilde tijolo

terça-feira, 22 de setembro de 2009 11:47 BRT
 

NEWARK, Estados Unidos, 22 de setembro (Reuters) - Esqueça os microchips. O Vale do Silício vê um futuro lucrativo nos humildes tijolos, graças a um processo de produção de baixa energia que ilustra a virada ecológica no setor de investimento em tecnologia dos Estados Unidos.

A Calstar Products, fabricante de tijolos, conta com muitos doutores em tecnologia, bem como com o apoio de profissionais de investimento de risco cuja visão é a de criar edificações com custo mais baixo e de maneira que economize energia.

"Acreditamos que tenha chegado a hora de uma segunda revolução industrial", disse Paul Holland, sócio da Foundation Capital, que investiu 7 milhões de dólares na Calstar. A EnerTech Capital liderou uma segunda rodada de capitalização que levantou 8 milhões de dólares para a empreitada.

O Vale do Silício está encontrando formas mais tecnológicas de produzir materiais tradicionais e pretende desenvolver concreto capaz de absorver dióxido de carbono, janelas que ofereçam isolamento melhor que o das paredes e materiais para substituir a madeira.

O campo ainda é novo. Os investimentos do setor de capital de risco voltados a edificações ecológicas oscilaram ao longo da recessão, mas envolveram cerca de 45 transações, ao valor de 350 milhões de dólares, no ano passado, de acordo com o Cleantech Group.

Os tijolos comuns precisam ser cozidos por 24 horas a uma temperatura de 1.093 graus, como parte de um processo de produção que pode levar uma semana, enquanto os da Calstar são cozidos a temperaturas inferiores a 100 graus e sua produção demora apenas 10 horas, diz o presidente da Calstar, Michael Kane.

A receita incorpora grandes volumes de resíduos de carvão consumido em usinas termelétricas, que de outra forma poderiam se tornar um poluente problemático.

O processo de produção dos tijolos --cuja aparência e sensação ao tato são iguais as de um tijolo comum-- requer de 80 a 90 por cento menos energia, e emite 85 por cento menos gases causadores do efeito estufa, se comparado ao processo usado em tijolos comuns, de acordo com a Calstar.

Custos de energia menores significam mais lucros, e isso permite que a empresa banque suas pesquisas e concorra contra empresas maiores, beneficiadas pela economia de escala. Os novos tijolos, que a Associação da Indústria do Tijolo dos EUA afirma não serem tijolos, serão vendidos pelo mesmo preço de tijolos de barro tradicionais.   Continuação...