UE aprova condicionalmente aquisição da Sanyo pela Panasonic

terça-feira, 29 de setembro de 2009 14:58 BRT
 

Por Bate Felix

BRUXELAS (Reuters) - A fabricante de eletrônicos japonesa Panasonic conseguiu nesta terça-feira que reguladores antitruste da União Europeia aprovassem a aquisição de sua concorrente, Sanyo Electronic, sob a condição de que abra mão de certas unidades.

A Comissão Europeia, reguladora antitruste para os 27 países da União Europeia, afirmou em comunicado que a Panasonic teria que vender suas fábricas de baterias e pilhas em mercados onde a Comissão identificou questões de concorrência.

A Panasonic propôs, no começo do mês, se desfazer de alguns de seus negócios para ganhar a aprovação da UE.

"Frente às soluções oferecidas, estou satisfeito de que a concorrência continuará vigorosa após a fusão e que compradores de pilhas continuarão se beneficiando da variedade de escolha e dos preços competitivos", disse o comissário antitruste da UE, Neelie Kroes.

Sem a venda de algumas unidades, a companhia resultante da fusão teria uma participação de mercado significativa no setor de baterias para alarmes e medidores, além de baterias de níquel-hidreto metálico recarregáveis e portáteis e pilhas-moeda de lítio recarregáveis, afirmou a Comissão.

As empresas irão vender uma fábrica de baterias e um de seus negócios com baterias portáteis de níquel-hidrato metálico para eliminar um aumento de sua participação no mercado para este produto, acrescentou o executivo da UE.

A Panasonic, maior fabricante de televisores de plasma do mundo, afirmou em dezembro de 2008 que investiria até 400 bilhões de ienes (4,34 bilhões de dólares) na compra da Sanyo para fortalecer sua participação no mercado de baterias recarregáveis e equipamentos de energia solar.

A empresa, que briga com a Sony pelo primeiro lugar como maior fabricante de eletrônicos de consumo do mundo, conseguiu a aprovação de reguladores no Japão no começo do mês.