22 de Outubro de 2009 / às 20:37 / 8 anos atrás

Lucro da Oi cai 71,2% no 3o tri, para R$64 milhões

SÃO PAULO (Reuters) - A operadora Oi, que concluiu no começo do ano a compra da Brasil Telecom (BrT), teve lucro de 64 milhões de reais no terceiro trimestre, ante ganho proforma de 222 milhões de reais um ano antes.

Segundo a empresa, a queda do lucro na comparação anual foi consequência de uma menor geração de caixa, prejudicada por custos não recorrentes de 290 milhões de reais relacionados à operação de telefonia móvel em São Paulo, ainda deficitária, e por consultoria para aquisição e incorporação da BrT.

Além disso, segundo o diretor financeiro da Oi, Alex Zornig, o resultado do terceiro trimestre sofreu com distorções fiscais.

"A Oi amortizava o ágio de aquisição e gerava prejuízo fiscal em uma empresa e tinha lucro tributável em outra", explicou. "Com as incorporações ao longo deste trimestre, estamos diminuindo bastante essas distorções fiscais", acrescentou o executivo a jornalistas.

Apesar da queda do lucro na comparação anual, houve melhora em relação ao segundo trimestre deste ano, já que de abril a junho o grupo de telecomunicações teve prejuízo líquido de 146 milhões de reais.

Diante disso, a Oi registrou no trimestre Ebitda --sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização-- de 2,36 bilhões de reais, queda de 8,4 por cento ante igual intervalo de 2008.

A margem Ebitda caiu de 34 por cento para 31,3 por cento.

RECEITA ESTÁVEL

A Oi teve receita líquida consolidada de 7,6 bilhões de reais no terceiro trimestre, estável em relação ao mesmo intervalo de 2008.

O grupo encerrou setembro com 60,5 milhões de clientes, expansão de 651 mil novos usuários no trimestre e de mais de 7,5 milhões em 12 meses.

"A Oi Móvel ainda é a principal alavanca, com adições de 886 mil novos clientes no terceiro trimestre e de 7,7 milhões desde setembro de 2008, principalmente devido ao bom desempenho em São Paulo, onde a Oi já supera 10 por cento de participação de mercado", informou a empresa.

A companhia encerrou setembro com dívida líquida de 21,1 bilhões de reais, quase o dobro da registrada um ano atrás, mas 500 milhões menor do que em junho. A variação anual do endividamento decorre de empréstimos para a compra da BrT.

O resultado financeiro nos três meses até setembro foi negativo em 537 milhões de reais, aumento de 41 milhões ante o trimestre anterior e redução de 13,1 por cento em relação ao período de julho a setembro de 2008.

O grupo investiu 1,3 bilhão de reais no terceiro trimestre, acumulando 3,2 bilhões de reais no ano até setembro. A Oi mantém a previsão de investir entre 5 bilhões e 6 bilhões de reais em 2009, o que significa desembolso de, no mínimo, 1,8 bilhão pela companhia de outubro a dezembro.

Os recursos irão, entre outras coisas, para a rede móvel em São Paulo e para banda larga. Segundo Zornig, a Oi está reforçando as redes de fibras ópticas em 10 cidades, especialmente no Sul, em área de concessão da BrT, para oferta de acesso ultraveloz à Internet.

Em três das 10 cidades o produto da Oi já começou a ser oferecido: Maringá e Londrina, no Paraná, e no Recife (PE). A empresa não revelou quais são os outros municípios.

Reportagem de Cesar Bianconi

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below