Perspectivas da Sony e Panasonic sugerem recuperação do setor

sexta-feira, 30 de outubro de 2009 09:22 BRST
 

Por Kiyoshi Takenaka

TÓQUIO, 30 de outubro (Reuters) - A Sony e a Panasonic sinalizaram que o pior já pode ter passado para as duas maiores fabricantes de bens eletrônicos de consumo, e apresentaram projeções melhoradas para os resultados anuais, com a ajuda de cortes de custos.

Isso se segue a anúncios de projeções otimistas pela Samsung Electronics, a maior fabricante mundial de LCD, e pela Sharp.

A Sony registrou seu quatro prejuízo trimestral consecutivo no período julho-setembro, por força das vendas fracas de celulares e dos cortes de preços de seu console de videogames PlayStation 3.

Mas analistas apontaram para sinais de melhora em muitas das divisões do conglomerado de bens eletrônicos de consumo.

"A impressão inicial é boa. Os resultados foram favorecidos por uma melhora nas TVs LCD. Fortes melhoras também foram vistas no setor financeiro, especialmente na Sony Life," disse Kazutaka Oshima, presidente-executivo da Rakuten Investment Management.

A Sony reduziu sua projeção de prejuízo para o ano fiscal que se encerra em março de 2010 de 110 bilhões a 60 bilhões de ienes, um pouco menos que o consenso de 68,8 bilhões de ienes entre 21 analistas pesquisados pela Thomson Reuters I/B/E/S

A empresa registrou 32,6 bilhões de ienes de prejuízo no período julho-setembro, ante 11,05 bilhões de ienes de lucro no período um ano atrás, mas superou a estimativa de consenso de 59,2 bilhões de ienes de prejuízo.

A Panasonic, fabricante das TVs de tela plana Viera e das câmeras digitais Lumix, elevou em 60 por cento sua projeção de lucro anual e anunciou seu primeiro lucro em três trimestres, devido às vendas robustas de aparelhos avançados de DVD e outros produtos eletrodomésticos.

O lucro operacional trimestral da companhia, a maior fabricante mundial de TVs de plasma, adiante da Samsung e da LG Electronics, ficou em 49,1 bilhões de ienes, ante 118,6 bilhões de ienes no período um ano atrás.

A Panasonic, que planeja adquirir a Sanyo Electric, maior fabricante mundial de baterias recarregáveis, para ganhar volume no segmento de baterias para carros híbridos e elétricos, elevou sua projeção de lucro anual de 75 bilhões para 120 bilhões de ienes.