Oferta da Telefónica por GVT é grande golpe para Vivendi--fontes

sexta-feira, 6 de novembro de 2009 19:58 BRST
 

Por Guillermo Parra-Bernal

SÃO PAULO (Reuters) - A decisão da Telefónica de elevar sua oferta pela concorrente brasileira GVT foi um "grande golpe" para os planos da Vivendi de comprar a operadora de telecomunicações, afirmaram fontes com conhecimento do assunto à Reuters nesta sexta-feira, sugerindo que a gigante de mídia francesa pode desistir do negócio.

Mas um acordo pré-existente entre acionistas controladores da GVT --Swarth Group e Global Village Telecom-- para que vendam pelo menos 20 por cento de suas ações para a Vivendi pode dar à empresa francesa uma boa "estratégia de saída", disseram as fontes, sob condição de anonimato.

A Telefónica elevou sua própria oferta pela GVT em 5,2 por cento no dia 4, buscando evitar uma contraproposta em potencial da Vivendi e assim fechar a compra antes do fim do mês.

Sob os novos termos, a oferta da Telefónica, por meio de sua unidade brasileira Telesp, subiu para 50,50 reais por ação da GVT, em um negócio de quase 7 bilhões de reais, ante uma oferta anterior de 48 reais por ação, ou 6,5 bilhões de reais.

A Vivendi teria que oferecer pelo menos 53,02 reais por ação para superar o valor proposto pela Telefónica.

Já uma decisão pela saída da Vivendi seria consistente com as políticas de seu presidente-executivo, Jean-Bernard Levy, de apenas comprar ativos que não arriscariam os bons ratings de dívida do grupo francês, bem como o pagamento de dividendos expressivos.

As fontes não quiseram dar mais detalhes sobre os termos do acordo da Vivendi com os acionistas controladores da empresa brasileira.

Uma contraproposta da Vivendi poderia implicar em uma guerra de preços pela GVT, algo que Levy sempre prometeu evitar. A proposta amigável da Vivendi pela GVT, de 42 reais por ação, ou 5,4 bilhões de reais, não chegou a ser formalizada.   Continuação...