Máquina do "Big Bang" pode causar surpresas, diz cientista

segunda-feira, 23 de novembro de 2009 16:36 BRST
 

Por Robert Evans

GENEBRA (Reuters) - Os cientistas devem começar a reunir informações sobre as origens do universo nos próximos meses, quando o maior acelerador de partículas do mundo começar a operar com força total no ano que vem, disse um líder do projeto na segunda-feira.

Mas a velocidade máxima do aparelho, conhecido como a "máquina do Big Bang", não deve ser atingida antes de 2011, acrescentou o físico Steve Myers, dando detalhes sobre o Grande Colisor de Hádrons (LHC, na sigla em inglês), situado na fronteira entre Suíça e França no Centro Europeu de Física Nuclear (Cern).

O LHC -- uma experiência de quase 10 bilhões de dólares envolvendo cientistas do mundo todo -- foi reinaugurado no fim de semana, depois que um acidente técnico 14 meses atrás provocou a sua paralisação nove dias após o seu início.

Myers, diretor do Cern para aceleradores, disse à Reuters Television que os feixes de partículas foram acelerados pelo túnel de 27 quilômetros na sexta-feira e que tudo correu bem.

"Todos estão confiantes porque esse foi um início formidável. Estamos fazendo medições nesta máquina que normalmente seriam feitas após um ano ou dois de operações de um acelerador", afirmou ele.

ORIGENS DA VIDA

O principal objetivo do projeto é descobrir como o universo tomou forma após o Big Bang, que aconteceu 13,7 bilhões de anos atrás, ter lançado matéria em grandes velocidades e energias, que por fim tornaram-se estrelas, planetas e depois a própria vida.

Mas o que Myers chamou de "novas surpresas na Física que de fato poderíamos medir" provavelmente terão de esperar até que os feixes de partículas colidam à força máxima do LHC.   Continuação...