Invasão de computadores é guardada a sete chaves por empresas

quarta-feira, 25 de novembro de 2009 11:29 BRST
 

Por Diane Bartz e Jim Finkle

WASHINGTON, 25 de novembro (Reuters) - Criminosos da computação violam regularmente sistemas de segurança e roubam milhões de dólares e dados de cartões de crédito, em crimes que as companhias mantêm em segredo, afirmou o principal investigador de crimes de Internet do FBI.

Para cada invasão, como os ataques muito divulgados contra a TJX e a Heartland Payment, nos quais quadrilhas de hackers roubaram milhões de números de cartões de crédito, existem outras que jamais conquistam manchetes.

"Dos milhares de casos que investigamos, o público só conhece um punhado", disse Shawn Henry, diretor assistente da divisão de crimes de computação do FBI. "Há casos multimilionários sobre os quais as pessoas nada sabem."

As empresas que são vítimas de crimes da computação relutam em divulgar o fato por medo de que a má publicidade prejudique sua reputação, assuste clientes e reduza lucros. Às vezes, elas nem mesmo reportam os crimes ao FBI. Em outros casos, demoram tanto que se torna difícil obter provas.

"Enterrar a cabeça na areia em lugar de denunciar um crime significa que os bandidos continuam à solta e estão atacando novas vítimas", disse Henry.

Ele afirmou que o problema dos crimes de computação se tornou mais grave nos três últimos anos porque os hackers mudaram seus métodos de ataque, devido ao reforço da segurança pelas empresas.

"As coisas definitivamente se agravaram, sim", disse ele. Isso acontece porque a Internet vem crescendo rapidamente como ferramenta de comércio, e ao fazê-lo empresas e consumidores expõem dados valiosos tais como planos de negócios, números de cartões de crédito, informações bancárias e números de documentos pessoais.

"Existem centenas de bilhões de dólares em circulação na Internet", disse ele.   Continuação...